Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, das 12h00 às 13h00, com reposição à segunda-feira entre as 00h00 e a 01h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - Galamba na "cadeira elétrica" - 21/10/2018
Conversas Cruzadas - Galamba na "cadeira elétrica" - 21/10/2018
Conversas Cruzadas

Galamba na "cadeira elétrica"?

21 out, 2018 • José Bastos


Será a secretaria de Estado da energia a “cadeira elétrica” – em mais que um sentido metafórico – do Governo? Esta é uma das questões lançadas no programa deste domingo, onde a atualidade foi analisada por Luís Aguiar-Conraria, Nuno Botelho e Francisco Jaime Quesado.

Uma noite de tempestade “Leslie”, a queda de um ministro e a remodelação de três outros, bem o Orçamento do Estado entregue à meia-noite não fizeram ainda desaparecer o caso de Tancos. Nem mesmo agora que o general Rovisco Duarte (CEME) se demitiu.

O afastamento de Azeredo Lopes e Rovisco Duarte muda um caso de extrema gravidade? Que nebulosas persistem neste incidente?

São perguntas para o Conversas Cruzadas deste domingo, onde se olha também para o homem que agora se na cadeira já ocupada em tempos por Jorge Seguro Sanches e Henrique Gomes, na secretaria de Estado da Energia. O homem é João Galamba.

Sanches e Gomes viram a sua trajetória interrompida antes do fim do mandato num posto político de enorme exigência e sensibilidade: afinal, do outro lado está o gigante EDP com quem o Governo embate em processos jurídicos e técnicos complexos a valerem um diferendo de mais de 500 milhões/ano.

Terá sido João Galamba – personagem tudo menos consensual – escolhido para silenciar suspeitas de que a saída de Seguro Sanches beneficia a EDP?

Ouça todas as respostas de Luís Aguiar-Conraria, Nuno Botelho e Francisco Jaime Quesado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.