Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
A crise energética - Conversas Cruzadas
A crise energética - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

A crise energética

24 out, 2021


Carvalho da Silva, Nuno Botelho e João Loureiro na análise da alta dos preços da energia e da ameaça do imposto silencioso: a inflação.

A normalidade pós-pandemia parece ter regressado às cimeiras europeias com a reunião da última sexta-feira a ser das primeiras em que a Covid19 foi um tema secundário, um assunto de passagem.

Falar da União Europeia é frequentemente citar divisões. Cada país tem o seu próprio olhar estratégico, interesses a longo prazo ou uma forma diferente de entender a Europa. Este pano de fundo foi evidente no tema que mais interessa a Portugal, o aumento dos preços da energia.

Da cimeira não saíram decisões para travar a escalada com os líderes a passar a batata quente ao conselho extraordinário da energia da próxima terça-feira. Mas a discussão está num ponto complexo. Os “mix energéticos” são muito distintos em cada país: enquanto uns dependem do nuclear, outros do carvão e alguns, como Portugal, do gás natural.

O debate é labiríntico porque implica veias e artérias sociais, ambientais e geopolíticas. Onde Portugal defende a aquisição conjunta (como nas vacinas para a Covid19) de gás, Hungria e Polónia acusam a ‘transição energética’, prevista no Green Deal europeu, de provocar a subida de preços. Já a Alemanha desenvolve uma posição ambígua ao aumentar a dependência energética com a Rússia através do polémico gasoduto Nord Stream II.

Portugal está entre os países da União Europeia onde a energia e o combustível são mais caros o que é uma conclusão preocupante do ponto de vista dos custos de produção e da competitividade das empresas: o preço da energia é idêntico ao dos países mais ricos. Os impostos explicam boa parte do elevado preço da gasolina e diesel nos postos nacionais.

Deve o governo levar muito a sério os custos sociais da transição climática? É uma das perguntas para a análise de Nuno Botelho, empresário, presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria, Manuel Carvalho da Silva, sociólogo e professor da Universidade de Coimbra e João Loureiro, economista e professor da Universidade do Porto, que olhará também para as negociações do OE2022.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.