Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

República-Centro Africana

Primeiro-ministro da RCA anuncia demissão do Governo através do Twitter

10 jun, 2021 - 15:06 • Lusa

Classificado pela ONU como o segundo país menos desenvolvido do mundo, a República Centro-Africana enfrenta uma guerra civil desde 2013. Portugal tem atualmente 241 militares em missão no país.

A+ / A-

O primeiro-ministro da República Centro-Africana, Firmin Ngrebada, anunciou esta quinta-feira a demissão do Governo, através da rede social Twitter, informação confirmada pelo porta-voz do Presidente daquele país africano à agência AFP.

“Acabo de entregar à Sua Excelência o Presidente da República, Sua Excelência Eaustin Archange Touadéra a minha renúncia e a do Governo”, pode ler-se na mensagem publicada na rede social Twitter pelo primeiro-ministro Firmin Ngrebada.

Antigo chefe de gabinete do chefe de Estado Faustin Archange Touadéra, o agora primeiro-ministro demissionário ocupava o cargo desde fevereiro de 2019.

À agência AFP, o porta-voz da presidência, Albert Yaloké Mokpémé, confirmou o pedido de demissão.

"Saberemos em poucas horas se o primeiro-ministro foi renomeado pelo presidente", acrescentou.

O Presidente Faustin Archange Touadéra foi reeleito em 27 de dezembro de 2020, apesar de uma votação em que menos de um em cada três eleitores foi às urnas. O período eleitoral decorreu no meio de ofensivas rebeldes.

Classificada pela ONU como o segundo país menos desenvolvido do mundo, a República Centro-Africana enfrenta uma guerra civil desde 2013, que, no entanto, diminuiu consideravelmente de intensidade desde 2018.

Desde o final de dezembro, perante a existência de uma ofensiva rebelde que tinha como objetivo derrubar o chefe de Estado, o exercito do Presidente reconquistou, após as eleições, mais de dois terços do território antes controlado por grupos rebeldes armados.

Esta operação desenrolou-se graças à presença de centenas de paramilitares russos, enviados por Moscovo.

Portugal tem atualmente 241 militares na República Centro-Africana, dos quais 183 integram a missão das Nações Unidas (Minusca).

Os restantes 58 militares portugueses participam na missão de treino, promovida pela União Europeia, até setembro deste ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+