Tempo
|
A+ / A-

Moçambique

“São feridas difíceis de curar”. Padre alerta para raptos em Cabo Delgado

07 jun, 2021 - 08:38 • Olímpia Mairos

Responsável pela comunicação da Diocese de Pemba afirma que os rapazes são levados para as milícias dos jihadistas enquanto as raparigas são violadas e “feitas esposas”.

A+ / A-

O padre Kwiriwi Fonseca, responsável pela comunicação da Diocese de Pemba, denuncia o rapto de centenas de jovens rapazes e raparigas naquela região desde outubro de 2017. “São feridas difíceis de curar”, afirma o sacerdote em declarações à Fundação AIS.

Embora não existam estatísticas oficiais sobre o número de pessoas raptadas, o padre Fonseca não tem dúvidas em afirmar que serão centenas de jovens.

“Podemos falar em centenas porque se nós contarmos com todas as aldeias onde houve raptos, podemos [apontar] para esse número sim”, afirma o sacerdote, acrescentando que as centenas de jovens terão sido levados com objetivos muito concretos.

“Os terroristas estão a usar meninos para os treinar, enquanto as meninas são feitas de esposas, violadas. Algumas das mulheres, quando [os terroristas] percebem que [já] não lhes interessa, são mandadas embora”, denuncia.

Denunciar a situação das pessoas raptadas pelos terroristas em Cabo Delgado, assim como procurar apoiar os deslocados é uma das missões deste sacerdote católico. No seu dia a dia, contacta com os que foram forçados a fugir, escuta as suas memórias dolorosas e procura ajudá-los a descobrir caminhos de futuro no meio da tempestade em que se encontra a região norte de Moçambique.

O sacerdote não esquece, por isso, o relato que escutou de uma mulher de Mucojo que perdeu toda a família.

“Apareceram lá cinco homens de surpresa [e as populações] perceberam que eram eles, eram os Al-Shabaab, os terroristas. E os terroristas encontraram lá o marido desta senhora, o seu irmão, quatro filhos e levaram os três meninos, um de 14, outro de 12 e outro de 10 anos. O marido e o irmão já tinham sido amarrados. E insistiram para que a mulher se fosse embora pois iriam matar o marido e o irmão. Ela resistiu e não saiu do local. Então, viu degolar o seu marido e o seu irmão. Naquele momento uma criança, uma menor, dos seus dois ou três anos, viu [também] toda esta cena e essa criança neste momento [continua] assustada e insiste para que voltem [à aldeia] para ver o pai. Ela viu tudo isso”, descreve o sacerdote à AIS.

Muitos dos deslocados de Cabo Delgado encontram-se atualmente em outras províncias como Niassa, Nampula, Zambézia e mesmo Maputo.

Em Lichinga, na província de Niassa, a irmã Mónica da Rocha, religiosa portuguesa que pertence à Congregação das Irmãs Reparadoras de Nossa Senhora de Fátima, conta à AIS que “os raptos, a separação de famílias e as violações”, sendo uma consequência dos ataques terroristas, “já existiam antes do conflito de Cabo Delgado um pouco por todo o país”.

“Os raptos em contexto de guerra são mais comuns em jovens e crianças. No caso dos meninos raptados são na maioria das vezes levados para serem treinados para lutar [ao lado dos terroristas] e no caso das meninas para serem [suas] escravas sexuais. Já no caso das violações abrangem todas as idades. Num dos relatos que ouvi um grupo de insurgentes fez cerco a um grupo de mulheres que estavam a trabalhar na machamba e violou todas incluindo grávidas e senhoras de idade”, conta a religiosa.

O rapto de jovens pelos terroristas nestes três anos e oito meses de guerra em Cabo Delgado, conheceu um episódio dramático que foi denunciado pela Igreja Católica. No dia 8 de abril de 2020, 52 jovens, na sua maioria cristãos, foram executados por se terem recusado a integrar as fileiras jihadistas.

O crime ocorreu na aldeia de Xitaxi, distrito de Muidumbe. D. Luiz Fernando Lisboa, então bispo de Pemba, disse na altura à Fundação AIS que a notícia da morte destes jovens o encheu de “imensa tristeza” e falou deles como “verdadeiros mártires da paz, porque não aceitaram participar na violência, na guerra, e por isso foram assassinados”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+