Tempo
|
A+ / A-

SEF

PSD acusa Governo de tratar reforma do SEF com "tirania" e quer envolvimento da AR

20 mai, 2021 - 18:58 • Lusa

André Coelho Lima aceita que se trata de "matéria de soberania", mas diz que o assunto "não pode não ser discutido no Parlamento".

A+ / A-

O PSD acusou esta quinta-feira o Governo de tratar a reestruturação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) com "demonstrações de tirania", ignorando o parlamento, e defendeu consensos para evitar que outro Governo mude a lei no futuro.

O aviso foi deixado pelo deputado e vice-presidente do PSD André Coelho Lima, numa declaração política no parlamento centrada na "gestão política" da pasta da Administração Interna, no centro de várias polémicas, desde a reforma do SEF, às polémicas com os festejos do campeonato de futebol com milhares de pessoas em Lisboa ou ainda o caso dos trabalhadores imigrantes em Odemira (Beja).

O SEF, cujas competências o governo dividiu entre as polícias e o novo Serviço de Estrangeiros e Asilo (SEA), é uma "matéria de soberania, mas que o Governo tem tratado com demonstrações de tirania".

Este dossiê, afirmou, "não pode não ser discutido no parlamento".

"O que importa não é o debate pelo debate, é assegurar que se consigam gerar os consensos imprescindíveis para que as alterações não corram o risco de virem a ser alteradas por um futuro governo", alertou o deputado social-democrata.

Trata-se, disse, de respeitar a "vontade das pessoas", que elegem os deputados, mas também de "respeito institucional, em prol das alterações legislativas e da sensibilidade de uma área de que depende a segurança dos cidadãos".

Sem pedir a demissão do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Coelho Lima afirmou que o responsável, no Governo, sobre o que se passa na pasta passa a ser do primeiro-ministro, António Costa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+