Tempo
|
A+ / A-

Médio Oriente

EUA venderam mais de 600 milhões de euros em armamento a Israel

18 mai, 2021 - 08:23 • Sofia Freitas Moreira com agências

Apesar dos esforços da diplomacia internacional para travar a espiral de violência entre Israel e a Palestina, os confrontos mostram poucos sinais de abrandamento. Número de mortes palestinianas subiu para um total de 212, das quais 61 crianças e 36 mulheres.

A+ / A-

A administração de Joe Biden aprovou a venda de mais de 600 milhões de euros (735 milhões de dólares) em armamento de precisão a Israel, e de acordo com fontes próximas do acordo, citadas pela CNN, as armas podem estar a ser usadas no conflito de Gaza.

Esta venda das armas, que recebeu luz verde antes do novo surto de violência violência, está agora a ser revista pelo Congresso à medida que crescem as preocupações entre os democratas progressistas sobre o facto de a administração Biden permanecer inflexível quanto ao direito de Israel se defender dos ataques do Hamas.

Fontes do Congresso disseram, na segunda-feira, que não se esperava que os legisladores norte-americanos se opusessem ao acordo, avança a CNN.

Israel tem sido o maior beneficiário da assistência externa dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial e esta venda é uma pequena parte do apoio militar global.

Os norte-americanos comprometeram-se a fornecer mais de 31 mil milhões de euros (38 milhões de dólares) em ajuda militar a Israel entre 2019 e 2028, num acordo entre os dois países em 2016.

O Congresso tem 15 dias para rever a venda proposta - da qual recebeu notificação a 5 de maio - antes de ser finalizada. O Washington Post foi o primeiro a informar que a Casa Branca tinha notificado o Congresso sobre o acordo.

É pouco provável que este negócio seja cancelado, de acordo com uma fonte próxima do assunto à CNN. Isto, porque esta venda em particular, como todas as vendas a Israel, está a passar por um processo acelerado de revisão congressional, o que dá ao Congresso um prazo de 15 dias para tomar medidas para a impedir em vez do habitual período de revisão de 30 dias.

Com apenas quatro dias restantes no processo de revisão, e uma exigência de que os comités de jurisdição atuem para bloquear o projeto de lei, não há praticamente nenhuma hipótese de isso acontecer.

Israel comprou estas armas aos EUA no passado, e acredita-se que estejam a ser utilizadas na atual campanha militar em Gaza, de acordo com as mesmas fontes à CNN.

O número crescente de mortes de civis em Gaza está a causar preocupação dentro da Casa Branca. Biden não apelou, oficialmente, a um cessar-fogo, apesar da pressão dos Democratas para que o fizesse.

Nos últimos dias, o Presidente norte-americano e os funcionários da sua equipa de segurança nacional têm dito rotineiramente que Israel tem o direito de se defender.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou na segunda-feira o seu homólogo norte-americano de ter "as mãos ensanguentadas", devido ao seu apoio a Israel, no momento em que este ataca a Faixa de Gaza.

Ataques retomados esta manhã

Na segunda-feira, os militares israelitas disseram que o Hamas e outros grupos palestinianos tinham disparado cerca de 3.350 rockets de Gaza - 200 deles só na segunda-feira - e que os ataques aéreos e de artilharia israelitas tinham provocado a morte a pelo menos 130 militantes.

Segundo a agência Reuters, que cita as autoridades de saúde de Gaza, o número de mortes palestinianas subiu para um total de 212, incluindo 61 crianças e 36 mulheres, desde o início das hostilidades, na semana passada. Dez pessoas foram mortas em Israel, duas delas crianças. Há registo de 1.400 feridos.

Os ataques aéreos israelitas no enclave palestiniano continuaram durante a noite de segunda-feira. Pouco depois do amanhecer, mísseis atingiram dois edifícios na cidade de Gaza, enviando nuvens de fumo espesso para o ar.

Às primeiras horas do dia, foram lançados foguetes pelos militantes da Faixa, que lançaram sirenes nas cidades do sul de Israel, enviando milhares de pessoas a correr para os abrigos anti-bombas. Não houve relatos imediatos de feridos em nenhum dos lados.

O que potenciou os conflitos?

O Hamas iniciou os confrontos na segunda-feira da semana passada, após semanas de tensões por causa de um processo judicial para despejar várias famílias palestinianas em Jerusalém Oriental, e em retaliação aos confrontos da polícia israelita com palestinianos perto da Mesquita al-Aqsa da cidade, o terceiro local mais politizado do Islão, durante o mês sagrado muçulmano do Ramadão.

As hostilidades entre Israel e Gaza controlada pelo Hamas foram acompanhadas por um recrudescimento da violência na Cisjordânia, onde os palestinianos limitaram a sua autodeterminação.

Também houve confrontos entre as comunidades judaicas e árabes de Israel em áreas mistas.

O presidente de Israel advertiu que a tensão entre judeus e árabes israelitas poderia evoluir para uma "guerra civil".

Estão previstas greves gerais para esta terça-feira em cidades árabes dentro de Israel e cidades palestinianas na Cisjordânia, com postos nos meios de comunicação social a apelar à solidariedade "do mar para o rio".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    18 mai, 2021 Lisboa 16:23
    Escumalha imperialista a ajudar escumalha colonialista. Qual a surpresa?

Destaques V+