Tempo
|
A+ / A-

Judo

Telma Monteiro: "Quando acordei senti que ia fazer história"

16 abr, 2021 - 18:45 • Redação

A melhor judoca portuguesa de sempre revela que há um mês que dizia que ia ser campeã da Europa, mesmo lesionada. Não se enganou: "Agora deixo o recorde para quem quiser bater."

A+ / A-

Telma Monteiro estava segura há um mês e ainda mais desde a manhã desta sexta-feira de que seria campeã europeia de judo. Tinha razão: conquistou a medalha de ouro na categoria de -57 kg, em Lisboa.

Em declarações à RTP, após a final e a cerimónia de atribuição de medalhas, a melhor judoca portuguesa da história revelou que tem estado a contas com uma lesão num ombro, que não lhe retirou ambição.

"Foi um dia muito duro, mas deixei tudo. Deixei a vida. Mas para alguém me ganhar, tinha de deixar a vida também, porque hoje [esta sexta-feira], quando acordei, senti que ia fazer história, e quando meto uma coisa na cabeça só paro até fazer. Estou muito feliz", admitiu a atleta.

Emocionada e sem "encontrar palavras", Telma Monteiro garantiu que a ambição de "disputar o título em casa" e vencer já vinha desde trás:

"Sou irreverente. Há um mês que estou a dizer que vou ser campeã da Europa mesmo com o ombro magoado. Mesmo antes de ganhar, o que sentia era gratidão e, quando nos sentimos gratos pelas pequenas coisas, conseguimos coisas ainda melhores. Foi isso que me deu força."

Sonho adiado e um recorde "para quem quiser bater"


Telma não escondeu que foi "extremamente difícil" conquistar o ouro: tanto na meia-final como na final, foi ao "golden score". Contudo, em retrospetiva, "foi melhor assim do que se tivesse ganhado tudo rápido".

"Foi um dia perfeito", sublinhou, antes de acrescentar: Tenho de dar mérito às minhas adversárias. São elas que me fazem ser mais forte."

Este título é "super especial" porque também representa o concretizar de "um sonho que estava adiado". Em 2008, Telma Monteiro não pôde disputar o Europeu, também em Portugal, devido a lesão.

A melhor judoca portuguesa da história confirmou, ainda, que esta foi a sua última participação em Europeus, em que deixa recordes.

"Foi um dia perfeito, em casa. Sexto título europeu, 15.ª medalha, atleta mais medalhada de sempre dos campeonatos da Europa. Agora deixo o recorde para quem quiser bater", atirou Telma Monteiro, entre sorrisos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+