Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Vantagens da vacina da Astrazeneca são maiores do que reações adversas, diz EMA

07 abr, 2021 - 15:06 • Cristina Nascimento

Fenómenos tromboembólicos devem, no entanto, figurar na lista de possíveis reações.

A+ / A-
Regulador europeu confirma: Vantagens da vacina da AstraZeneca superam reações adversas
Regulador europeu confirma: Vantagens da vacina da AstraZeneca superam reações adversas

Veja também:


A Agência Europeia do Medicamento considera que a vacina da Astrazeneca é segura e que as suas vantagens são maiores do que possíveis reações adversas.

O anúncio é feito por Emer Cooke, diretora do organismo, em conferência de imprensa.

"Estes são efeitos adversos muito raros. O risco de morte por Covid é muito maior do que o risco de morte por estes efeitos", assegurou.

“A vacinação é extremamente importante para nos ajudar na luta contra a Covid-19 e precisamos de utilizar as vacinas que temos para nos proteger dos seus efeitos devastadores”, insistiu a responsável.

No entanto, Emer Cooke acrescentou que os fenómenos tromboembólicos devem passar a constar da lista de possíveis efeitos adversos.

A Agência Europeia do Medicamento revelou ainda que vai continuar a acompanhar as informações sobre esta vacina e que pediu à farmacêutica para fazer novos estudos sobre este assunto.

Segundo a EMA, foram registados 62 casos de trombose do seio venoso cerebral e 24 casos de trombose venosa esplâncnica até 22 de março, bem como 18 mortes, num universo de cerca de 25 milhões de vacinados na UE, Espaço Económico Europeu e Reino Unido.

"O risco é muito baixo", garante a responsável pelo do Comité de Farmacovigilância e Avaliação do Risco da EMA, Sabine Straus.

A EMA concluiu que as mulheres abaixo dos 60 anos aparentam ter maior risco de experimentar uma trombose no espaço de até duas semanas após a toma da vacina da Astrazeneca, mas ressalvam que este dado pode não estar correto e pode estar enviesado pelo perfil de vacinação que tem sido levado a cabo.

Sabine Straus sublinhou ainda a importância de serem reportados quaisquer efeitos adversos. "É muito importante que os profissionais de saúde e as pessoas que vão ser vacinadas conheçam os riscos, estejam a atentos a sinais e possíveis sintomas que habitualmente surgem nas primeiras duas semanas após a vacinação", disse.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Abaixo
    07 abr, 2021 a censura 20:29
    Quando o comentário é contrário à linha editorial da RR... nunca é publicado
  • Cidadao
    07 abr, 2021 Lisboa 14:33
    Alguém acreditava que depois do dinheiro gasto, e destes jogos de interesses e de aprova-suspende-volta a permitir-suspende outra vez, a decisão podia ser outra que não fosse manter a vacina assassina? Há muita pressão e muita economia em jogo por aqui. As pessoas? Que importa isso? Mandamos a balela habitual - "os benefícios compensam os riscos"- e à cautela vamos dizendo que não há outras vacinas e o maralhal terá de fazer o que nós queremos. Claro, para nós é a Pfizer.
  • Observador
    07 abr, 2021 Portugal 14:28
    E os fenómenos tromboembólicos deverem passar a constar da lista de possíveis efeitos adversos, deve fazer uma grande diferença para aqueles que morreram e para os que vão morrer. A únicva hipótese disto reverter é as pessoas em massa, pura e simplesmente recusarem a AstraZeneca, que pelos políticos, estamos conversados

Destaques V+