Tempo
|
A+ / A-

ministra da Justiça

Covid-19. Todos os guardas prisionais do continente estão vacinados

30 mar, 2021 - 17:15 • Lusa

Também já foram vacinados contra a covid-19 cerca de 16 mil bombeiros e 20 mil elementos das forças de segurança.

A+ / A-

Veja também:


Todos os guardas prisionais do continente já foram vacinados contra a covid-19, num total de 8.800 vacinas aplicadas nos serviços prisionais, anunciou a ministra da Justiça, esta terça-feira.

"O processo de vacinação em curso na área da Justiça, nomeadamente nos serviços prisionais, está a correr muito bem. Neste momento já há cerca 8.800 vacinas aplicadas, o que significa que, ao nível do continente, os guardas prisionais estão todos vacinados, há 4.000 pessoas que fizeram já uma segunda dose”, disse Francisca Van Dunem aos jornalistas.

A ministra foi questionada sobre o processo de vacinação contra a covid-19 na área da justiça na conferência de imprensa de apresentação dos dados gerais do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2020.

Francisca Van Dunem avançou ainda que, no sistema prisional, estão já vacinados “todos os cidadãos inimputáveis e começou agora uma segunda fase para reclusos com problemas de saúde”.

Vacinados 36 mil agentes de segurança interna


Também presente na conferência de imprensa, o ministro da Administração Interna fez um balanço da vacinação na área da segurança interna.

Eduardo Cabrita disse que foram vacinados contra a covid-19 cerca de 16.000 bombeiros e 20.000 elementos das forças de segurança, 10.000 na GNR e 10.000 na PSP.

O ministro sublinhou que as prioridades definidas foram associadas “exatamente à dimensão operacional”. Foi dada primazia “a quem está na rua” e tem “função de patrulheiro ou garante da verificação do cumprimento das regras em matéria de estado de emergência”.

Já foram vacinadas em Portugal 1.641.946 pessoas contra a covid-19: 1.169.676 com a primeira dose e 472.270 com a segunda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+