Tempo
|
A+ / A-

​Papa corta salários dos cardeais e legisla para conter despesas no Vaticano

24 mar, 2021 - 12:32 • Aura Miguel

A partir de 1 de abril, a retribuição dos cardeais sofre uma redução de 10% e a dos superiores de outros departamentos da Santa Sé sofre um corte de 8%.

A+ / A-

Veja também:


O Papa Francisco publicou hoje uma Carta Apostólica (Motu proprio) “sobre a contenção das despesas com o pessoal da Santa Sé, do Governatorato do Estado Cidade do Vaticano e de outras Entidades relacionadas”

O documento explica que “um futuro economicamente sustentável exige hoje, entre outras decisões, adotar medidas relativas às retribuições do pessoal”.

Considerando o défice que há vários anos caracteriza a gestão económica da Santa Sé e o agravamento de tal situação causado pela pandemia, com efeitos negativos em todas receitas, “o Vaticano vai ter de ‘emagrecer’ os custos com o pessoal que trabalha para a Santa Sé e Estado do Vaticano”, lê-se na introdução.

Para manter os atuais postos de trabalho, “e após o parecer competente da Secretaria para a Economia”, Francisco decidiu reduzir os ordenados.

A partir de 1 de abril, “a retribuição dos cardeais é reduzida em 10%” e a dos responsáveis superiores de outros departamentos, “reduzida a 8%”. Os sacerdotes e religiosos funcionários do Vaticano sem responsabilidades de direção sofrem uma redução de 3%.

Esta norma do Papa prevê, no entanto, que não se aplique a redução acima referida “se o interessado provar por documento ser-lhe impossível enfrentar as despesas fixas relacionadas com o seu estado de saúde ou dos seus parentes até ao segundo grau”.

Neste documento o Papa não se refere aos leigos que trabalham no Vaticano, legislando apenas sobre o pessoal eclesiástico ou com ligações a institutos religiosos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+