Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Covid-19. Instituto Ricardo Jorge regista "claro decréscimo" da incidência em todo o país

05 mar, 2021 - 18:01 • Lusa

Índice médio de transmissibilidade (Rt) subiu para 0,71 em Portugal continental, superando o valor mais baixo desde o início da pandemia, registado em meados de fevereiro (0,61). Ainda assim, o Instituto Ricardo Jorge identifica tendência decrescente de casos de Covid-19. Açores e Madeira são as exceções com um valor acima de 1.

A+ / A-

Veja também:


O índice médio de transmissibilidade (Rt) do vírus SARS-CoV-2 está nos 0,71 em Portugal continental, representando uma tendência decrescente de casos de Covid-19, com exceção dos Açores e da Madeira, que apresentam um valor acima de 1.

Segundo um relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) sobre a curva epidémica da infeção pelo novo coronavírus, divulgado esta sexta-feira, todas das regiões apresentam um Rt a cinco dias abaixo de 1, com exceção das duas regiões autónomas, o que "sugere um claro decréscimo da incidência de SARS-CoV-2" no país.

No relatório anterior, divulgado a 26 de fevereiro, o Rt médio do país situava-se nos 0,68.

O INSA refere que o Rt de 1,15 estimado para a Madeira deve ser interpretado com "cautela, pois pode ser resultado de uma atualização da base de dados por introdução de casos ocorridos no passado".

Por regiões e para os dias entre 24 e 28 de fevereiro, o relatório indica um Rt - o número médio de casos secundários que resultam de um caso infetado pelo vírus - de 0,72 para o Norte, de 0,63 para o Centro, de 0,68 para Lisboa e Vale do Tejo, de 0,73 para o Alentejo, de 0,79 para o Algarve e de 1,02 para os Açores.

Desde 11 de fevereiro que se observa uma tendência de estabilização do Rt, com um ligeiro aumento de 0,61 para 0,73, refere ainda o INSA, que recorda que o índice de transmissibilidade atingiu os 2,12 como valor mais alto durante a pandemia que se iniciou em março de 2020.

O mesmo relatório avança ainda que, a nível europeu, Portugal apresenta uma taxa de notificação acumulada de 14 dias entre os 120 e os 239.9 casos por 100 mil habitantes com tendência decrescente, estando na mesma situação que a Irlanda e o Reino Unido.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.570.291 mortos no mundo, resultantes de mais de 115,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.486 pessoas dos 808.405 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FIlipe
    05 mar, 2021 évora 19:06
    Isso do Rt é uma aldrabice matemática que nada prova , só complica . O sério e realista é haverem 1000 casos diários , os que se sabem é claro ... e não conseguem saber de onde vem essas contaminações . O vírus manda dizer se existem 1000 agora ativos ... quando abrirem seja o que for , vamos ter 1000 casos ativos a subir daqui para cima , tudo começou com um caso no Mundo . Já pediram ajuda à Marinha , chamem a NATO ou o ISIS ou o FBI ou a CIA para colocar fim aos 1000 casos diários . É urgente passar a haver no máximo 10 casos diários em Portugal .

Destaques V+