Tempo
|
A+ / A-

Obras na ferrovia aproximam Alentejo da Europa

24 fev, 2021 - 13:13 • Rosário Silva

Apesar da pandemia, as obras de construção da nova linha férrea entre Évora e Elvas/Caia, inserida no futuro Corredor Internacional Sul, seguem sem percalços. Uma oportunidade para quem há muito anseia pelo progresso e a possibilidade de encurtar significativamente o tempo de viagem entre Lisboa e Madrid.

A+ / A-

A mudança na tradicional paisagem alentejana é o sinal mais visível da forma como está a decorrer aquela que é denominada “a maior obra ferroviária dos últimos 100 anos em Portugal”.

A nova Linha de Évora, que começa a tomar forma, vai ter uma extensão total de cerca de 100 quilómetros e integra o chamado Corredor Internacional do Sul (CIS), entre Sines, Poceirão e Badajoz. São 100 quilómetros que deixam a região alentejana mais perto da Europa.

A pandemia não parou as obras e quem circula, por exemplo, na estrada nacional 254, entre os concelhos de Évora e Redondo, facilmente se apercebe das movimentações de terras e da construção de novas pontes.

Por aqui, está em plena execução a empreitada para a construção do subtroço ferroviário Évora Norte/Freixo, com 20,5 quilómetros de extensão.

No local, as árvores foram substituídas por largas plataformas de terra batida, comprovando-se a execução de via única, numa infraestrutura preparada para via dupla, que assegure, no futuro, a ligação entre Sines e o porto seco de Badajoz para mercadorias, bem como o transporte de passageiros, porventura, a muitas cidades espanholas até Madrid.

De resto, a ligação dos portos de Sines e Setúbal, ao porto seco de Badajoz vai permitir elevar a capacidade logística em interface rodoferroviária, permitindo, a partir de Badajoz, a receção e distribuição/recolha de mercadorias em toda a região a sul do Tejo, considerando mesmo toda a Beira Baixa e Estremadura.

Em execução estão também os subtroços Freixo/Alandroal, com 20,5 quilómetros de extensão, e Alandroal/Elvas (ligação à Linha do Leste), com 38,4 quilómetros, que, a par do subtroço Évora Norte/Freixo, constituem a futura Linha entre Évora Norte e Elvas/Caia (CIS).

Mais atrasado está o subtroço entre Évora/Évora Norte, também integrado no futuro CIS, cujo concurso foi lançado ainda não há um ano. Segundo a Infraestruturas de Portugal (IP), este novo canal ferroviário vai ser edificado “em variante à Linha de Évora, entre Évora (exclusive) e o quilómetro 121 e da modernização da Linha de Évora, entre o quilómetro 121 e Évora Norte”, com a construção das instalações fixas necessárias à eletrificação, de pontes ferroviárias e passagens desniveladas rodoviárias.

“Este troço integra o novo canal ferroviário em construção entre Évora e a Linha do Leste, criado numa lógica de desenvolvimento evolutivo das ligações ferroviárias a Espanha, no quadro da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T) e da ligação ferroviária de mercadorias entre os portos portugueses e o resto da Europa, assegurando desde logo uma ligação de passageiros”, sustenta a IP.

Alentejo não quer ficar a ver passar comboios

A utilização da linha para passageiros foi defendida pelo primeiro-ministro em 2019. Na vila de Redondo, no distrito de Évora, em resposta ao autarca local, António Costa considerou “fundamental” que o Alentejo não fique a “ver os comboios passar” com a linha ferroviária do CIS.

Esse é também o desejo dos alentejanos, uma vez que os tempos de viagem entre Lisboa e Elvas/Badajoz podem ser significativamente reduzidos para menos de duas horas, com a cidade Património Mundial a ficar a cerca de meia hora da cidade espanhola. Atualmente, o tempo de viagem de comboio entre Lisboa e Badajoz é de seis horas.

Trata-se de uma oportunidade incontestável para a região, defendem autarcas e empresários e, em particular, para Évora, já que poderá desenvolver todo o seu potencial industrial, agrícola e dos serviços, com a concretização de um interface na cidade ou na sua proximidade.

Apesar do impacto visual e urbano, nomeadamente ao nível do ruído, espera-se que a nova infraestrutura contemple igualmente as ligações a nível regional e local.

Por isso, são bem-vindas, e muito aguardadas, as novas opções de transporte ferroviário que reduzam os tempos de viagem entre Évora e Elvas, com serviço de passageiros entre localidades carenciadas de transporte, como são o caso de São Miguel de Machede, Freixo, Redondo ou Alandroal (nascente da Serra d’Ossa), reduzindo-se, assim, os tempos de percurso, os custos e incrementando a qualidade e segurança da viagem, sem esquecer a vertente ambiental.

Por outro lado, sendo Évora um importante polo universitário, “não ficar a ver passar comboios" significa melhorar as ligações escolares no distrito, reduzindo os tempos de viagem de e até à escola, com benefícios na qualidade escolar e populacional.

Atualmente, a oferta rodoviária no eixo Évora – Freixo – Elvas é bastando reduzido, resumindo-se, na maior parte das vezes, a um autocarro pela manhã e outro ao final do dia.

Turismo, indústria e agricultura, no seu geral, podem ser igualmente beneficiados com este importante investimento. De uma rede ferroviária inicialmente projetada para a exploração mineira, todo o Alentejo aspira a encontrar na ferrovia, soluções de mobilidade que potenciem o seu desenvolvimento – não só nacional, com a sua articulação ao Norte de Lisboa, como em termos internacionais, na sua ligação a Espanha e à Europa.

Sines será, assim, o porto mais importante de Badajoz. A cidade raiana, com uma população de 150.000 habitantes, por via da melhoria do interface ferroviário já em construção, bem como com o seu aeroporto, irá contribuir para promover o desenvolvimento da indústria, comércio e turismo de toda a região.

A pedido da Renascença, fonte da CP traçou uma possível oferta comercial para este eixo ferroviário, aproveitando o horário já praticado pela empresa na Linha do Alentejo.

“Com a articulação entre o operador ferroviário português (CP) e espanhol (Renfe), espera-se que, depois de terminada a infraestrutura entre Badajoz e Madrid, um passageiro chegado de Lisboa embarque em Badajoz num comboio AVE (350 km/h) às 7h00 chegando a Madrid pelas 9h20, dando assim resposta ao segmento ‘corporate’ e podendo, ao final do dia, realizar a viagem no sentido inverso”, indica a mesma fonte.

Ferrovia em “fase decisiva”. Pandemia não parou obras

No início do mês de fevereiro, na conferência online "Portugal Railway Summit 2021", o presidente da IP revelou que cerca de 80% do investimento previsto no Programa Ferrovia 2020 está “em contratação, no terreno ou mesmo já concluído”, especificando que “71% do esforço financeiro se encontra em fase de obra e 8% está já concluído”.

António Laranjo disse que o programa para modernização da rede ferroviária portuguesa está "numa fase decisiva do seu desenvolvimento, na qual fica evidente a transição já concretizada do projeto para a obra", garantindo, por outro lado que “apesar da pandemia, nenhuma obra parou”.

Entre as intervenções "de maior relevância" previstas no Ferrovia 2020 que estão "em franco desenvolvimento", o presidente da IP destacou "a maior obra de construção de caminho-de-ferro deste século, entre Évora e Elvas, com execução no terreno"; "a reabertura da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e Guarda"; e as intervenções na Linha do Norte, "a principal linha ferroviária" do país.

Sobre o Programa Nacional de Investimento (PNI2030), António Laranjo sublinhou que, ao contrário do Ferrovia 2020, “que está especialmente vocacionado para o transporte de mercadorias e para as ligações internacionais”, o PNI2030 “aposta no segmento de passageiros, designadamente no principal eixo estruturante nacional de Norte a Sul, contemplando investimentos disruptivos”, estando a IP “já a iniciar o desenvolvimento dos respetivos projetos”.

O PNI2030 prevê um investimento global de 43 mil milhões de euros, dos quais 22 mil milhões são dirigidos à área dos transportes e mobilidade, com a ferrovia a absorver “quase 50% deste montante".

No âmbito do PNI2030, António Laranjo recordou estarem identificados "16 programas e projetos ferroviários, com um valor total de 10.510 milhões de euros, sendo que 13 dizem respeito à infraestrutura e três ao material circulante".

"É um programa de investimentos ambicioso, mas que estamos empenhados em cumprir, estando a IP já a iniciar o desenvolvimento dos respetivos projetos", assumiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Hugo Rosado
    08 mar, 2021 Évora 11:03
    Sou de Évora mas o abandono de Beja e Portalegre nesta história toda é vergonhosa. É a prova que esta cambada de políticos não se interessa pelo bem estar dos Alentejanos, querem lá eles saber disso. Isto é só para ligar a Espanha, depois há a chatice ali de ter uma estação em Évora, parecia mal. Políticos maus.
  • Marco
    08 mar, 2021 Funchal 00:18
    Tal como no Alentejo, nas regiões insulares também há falta de uma ligação que permita uma rápida, eficiente e económica via de transporte de passageiros e mercadorias com o resto do país e mesmo Europa. A única diferença é o meio utilizado, que seria um navio ferry para o caso das ilhas. Promessa feita em 2019 pelo Primeiro Ministro e que até hoje nunca mais se ouviu uma palavra. Cito ainda o artigo: "Alentejo não quer ficar a ver passar comboios". A Madeira e os Açores também não querem ficar a ver passar...navios.
  • Manuel Moita
    05 mar, 2021 Lisboa 15:34
    Podiam fazer um desvio ate Beja ao Aeroporto e poupavam muitos milhoes fazendo depois ligaçao ao Algarve era uma maravilha e ficávamos ligados desde Badajoz ao Mundo Civilizado do TGV Espanhol e a Europa - França , Alemanha etc
  • José Maria Carneiro Costa
    24 fev, 2021 Vila Nova de Famalicão 17:30
    Gostei!

Destaques V+