Tempo
|
A+ / A-

Reino Unido

Londres proíbe viagens ao estrangeiro pelo menos até 17 de maio

23 fev, 2021 - 06:55 • Lusa

Além de ser proibido fazer férias ou viajar sem um motivo válido para o estrangeiro, todas as pessoas que chegam ao Reino Unido são obrigadas a apresentar um teste ao novo com resultado negativo feito até 72 horas antes do embarque e a cumprir uma quarentena de 10 dias à chegada.

A+ / A-

A proibição de viagens ao estrangeiro e restrições à entrada no Reino Unido devido a Covid-19 vão continuar pelo menos até 17 de maio, enquanto o Governo britânico avalia medidas como a introdução de um certificado de vacinação.

Ao apresentar um plano de desconfinamento faseado a partir de março, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse no Parlamento que a decisão sobre as viagens internacionais vai depender de um estudo que terá de ser concluído até 12 de abril, “para que as pessoas possam fazer planos para o verão”.

No entanto, o plano oficial, entretanto publicado, diz que as viagens ao estrangeiro, atualmente proibidas sem uma justificação válida, não serão reabertas antes de 17 de maio.

"No curto prazo, o Governo vai continuar a proteger o progresso da vacinação e a mitigar o risco representado por variantes importadas”, refere o documento.

A decisão sobre quando as viagens internacionais podem ser retomadas vai “depender do quadro epidemiológico internacional e nacional, da prevalência e localização de quaisquer variantes preocupantes, do progresso da distribuição de vacinas aqui e no estrangeiro, e o que mais o Governo aprender sobre a eficácia das vacinas sobre as variantes e o impacto na transmissão, hospitalização e mortes”, especifica.

Além de ser proibido fazer férias ou viajar sem um motivo válido para o estrangeiro, todas as pessoas que chegam ao Reino Unido são obrigadas a apresentar um teste ao novo com resultado negativo feito até 72 horas antes do embarque e a cumprir uma quarentena de 10 dias à chegada.

Portugal e outros 32 outros países, atualmente numa “lista vermelha” de países de risco agravado de transmissão de variantes do coronavírus, nomeadamente do Brasil e África do Sul, pelo que todos os viajantes têm de cumprir a quarentena num hotel designado pelas autoridades a um custo de 1.750 libras (2.025 euros) por pessoa.

Durante a quarentena, as pessoas são testadas no segundo e oitavo dia e, se o diagnóstico for positivo, têm de prolongar o período em isolamento.

O Governo britânico disse querer trabalhar com a indústria para "aliviar as restrições às viagens internacionais de forma gradual e sustentável”, mas diz que pretende continuar a gerir o risco através de testes e quarentena.

"A vacinação pode oferecer um caminho para esse retorno seguro e sustentável”, e o Governo admite "tentar introduzir um sistema que permita a indivíduos vacinados viajarem internacionalmente com maior liberdade".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+