Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Um mês depois do despacho. Multas na hora já podem ser pagas por multibanco

22 fev, 2021 - 06:37 • Celso Paiva Sol

Até ao final da semana passada, não existiam as necessárias referencias para que os cidadãos abordados pudessem pagar as multas através do multibanco.

A+ / A-

A dezena e meia de infrações criadas no âmbito do estado de emergência para prevenir os contágios por Covid-19 têm, finalmente, referências multibanco atribuídas para que as contraordenações possam ser processadas e pagas na hora.

O despacho assinado pelo ministro da Administração Interna a 22 de Janeiro assim o definia com o objetivo de apertar a fiscalização aos incumprimentos, mas, até ao final da semana passada, não existiam as necessárias referencias para que os cidadãos abordados pudessem pagar as multas através do multibanco.

Só agora a Agência para a Modernização Administrativa enviou esses códigos às forças de segurança, num modelo muito semelhante ao que é usado para a fiscalização e cobrança de contraordenações de trânsito.

Apenas 10% das multas foram pagas na hora

Não podendo usar o multibanco, e tendo em conta que as multas para particulares variam entre os 200 e os 1.000 euros, não foram muitos os cidadãos que até agora puderam, ou quiseram, pagar as suas infrações na hora.

Pelas contas provisórias deste primeiro mês, conclui-se que apenas 10% das multas foram pagas num primeiro momento.

A PSP, por exemplo, neste último mês levantou 9.141 autos de contraordenação no continente e ilhas, mas, até agora, tem concluídos apenas mil processos – correspondentes a cerca de 102 mil euros, valor muito aquém do imaginado pelo Governo, que, ao exigir o pagamento na hora, pretendia criar um efeito dissuasor.

Na hora ou noutra altura qualquer

Com as referências multibanco agora atribuídas a cada uma das infrações, os cidadãos abordados na via publica já podem pelo menos pagar a multa sem ser apenas em dinheiro vivo.

Até aqui, eram informados de que tinham três hipóteses de evitar custos adicionais ou que o processo chegasse ao tribunal - ou pagavam em numerário ao agente que os estava a autuar ou podiam deslocar-se ao multibanco mais próximo para levantar a quantia em divida (desde que no campo de visão do agente) ou lhe eram ainda dadas 48 horas para que o fizesse numa esquadra. Sempre em dinheiro vivo.

Se nenhuma destas oportunidades fosse aproveitada, seriam acrescentados mais 51 euros de custas judiciais, e o processo baixava a inquérito, passando a ser gerido pelos tribunais.

Agora, o pagamento por multibanco vem alargar as opções, embora, tal como acontece com as infrações de transito, também neste caso as multas só poderão ser pagas na hora se houver Internet.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+