Tempo
|
A+ / A-

Ecumenismo

Papa deseja para os cristãos uma unidade com a força das árvores

25 jan, 2021 - 17:31 • Aura Miguel

Francisco não pôde comparecer pessoalmente para a celebração do final do oitavário da unidade dos cristãos, mas pediu ao cardeal responsável por esta pasta que lesse um texto em seu nome.

A+ / A-

O Papa Francisco propôs esta tarde uma reflexão sobre a unidade dos cristãos a partir de “três círculos concêntricos, como os de um tronco”.

Apesar de uma crise de ciática o ter obrigado a cancelar a sua presença nesta celebração ecuménica na basílica de São Paulo, Francisco pediu ao cardeal Kurt Koch, responsável da Santa Sé pela promoção da unidade dos cristãos, para ler a homilia que tinha preparado.

O primeiro círculo a caminho da unidade, o mais interno, “é o permanecer em Jesus”, considera o Papa. “Na realidade mutável e complexa de hoje, arrastados daqui e dali, é fácil perder a linha. Muitos sentem-se intimamente divididos, incapazes de encontrar um ponto firme, uma estrutura estável nas circunstâncias variáveis da vida”.

Por isso, “o segredo da estabilidade é permanecer n’Ele”, garante o Papa. Mas para permanecer em Deus “precisamos da oração, como de água, para viver”, tal como “o ramo que toma a seiva do tronco”.

O segundo círculo é o da própria unidade com os cristãos. “Somos ramos da mesma videira, somos vasos comunicantes: o bem e o mal que realiza cada um reverte-se sobre os outros”, sublinha o Papa. De facto, o Corpo de Jesus é “composto de muitos membros, tantos quantos são os batizados” e “se a nossa adoração for genuína, cresceremos no amor por todos aqueles que seguem Jesus, independentemente da comunhão cristã a que pertençam, porque, mesmo se não são ‘dos nossos’, são d’Ele”.

O Papa bem sabe que “amar os irmãos não é fácil, porque apresentam-se imediatamente os seus defeitos e as suas faltas, e voltam à mente as feridas do passado”. Com antídoto contra a divisão, Bergoglio propõe pedir a Deus “para cortar em nós os preconceitos contra os outros e os apegos mundanos que impedem a plena unidade com todos os seus filhos” e que, ainda hoje “nos desviam do Evangelho”.

Por fim, “o terceiro círculo da unidade, o mais largo, é a humanidade inteira.” Francisco volta a usar o exemplo evangélico do bom samaritano para nos recordar que “o próximo não é só quem partilha os nossos valores e ideias, mas que somos chamados a fazer-nos próximo de todos, bons Samaritanos duma humanidade vulnerável, pobre e sofredora – hoje, tão sofredora –, que jaz por terra nas estradas do mundo e que Deus, na sua compaixão, deseja levantar”. E conclui: “É pelos frutos que se reconhece a árvore, pelo amor gratuito, se reconhece se pertencemos à videira de Jesus.”

Neste caminho para a unidade, Francisco aponta duas vertentes concretas onde também é possível “caminharmos juntos e descobrirmo-nos irmãos”, independentemente da comunidade cristã a que cada um pertence: no serviço aos mais pobres e necessitados; e no cuidado da nossa casa comum”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+