Tempo
|
A+ / A-

Rangel diz que Marcelo será "muito mais interventivo" no segundo mandato

21 jan, 2021 - 06:00 • José Pedro Frazão

O social-democrata remete André Ventura para o lote dos votos de protesto. Já o número dois do aparelho do PS, José Luis Carneiro, mantém segredo sobre o seu voto mas deixa elogios a Marcelo.

A+ / A-

Paulo Rangel acredita que Marcelo Rebelo de Sousa será um presidente da República "muito mais interventivo" num eventual segundo mandato. Para o eurodeputado social-democrata, Marcelo deve acabar por seguir a tradição seguida pelas Presidências anteriores.

"Como vamos ver com Marcelo Rebelo de Sousa, porque isso é uma constante de todos os segundos mandatos, o presidente vai ser muito mais interventivo. Aquilo que estou a dizer não é por desejar ou deixar de desejar, é uma constante. O presidente Sampaio dissolveu o Parlamento com maioria absoluta", lembra Rangel que evoca também o segundo mandato de Soares em Belém e o discurso de posse de Cavaco Silva com um ataque muito forte a José Sócrates.

Questionado sobre os impactos das presidenciais na direita, Paulo Rangel considera que André Ventura pode apenas ser a expressão de um mero voto de protesto como o PRD em 1985.

"Já não é apenas a contestação às ideias que ele representa e que são ideias altamente questionáveis e lamentáveis sob muitos pontos de vista, mas é o próprio estilo. Não excluo que seja apenas um episódio de voto de protesto. Vimos isso com o PRD em 1985", recorda o eurodeputado do PSD na Renascença.

Já o secretário-geral adjunto do PS, José Luis Carneiro, não revela o seu sentido de voto nas presidenciais por considerar dever manter neutralidade nas interveções públicas devido ao seu cargo.

O deputado socialista reconhece que os votos socialistas estão dispersos pelas candidaturas de Marcelo Rebelo de Sousa, Ana Gomes e João Ferreira mas considera que o Presidente recandidato prestigiou as funções presidenciais sempre em defesa dos valores da Constituição.

"Foi um desempenho de grande respeito pelos deveres constitucionais, pela separação de poderes e ao mesmo tempo de prestígio no desempenho dessas mesmas funções. O atual Presidente da República Marcelo Rebelo Sousa tem sido o garante pleno dos direitos e dos valores constitucionais", afirma o número dois de António Costa no Partido Socialista, respondendo a Paulo Rangel que diz que António Costa "matou o PS para as Presidenciais".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+