Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

PSP. “Por esta altura, já esperaríamos um maior cumprimento das normas”

21 jan, 2021 - 13:00 • Marta Grosso com redação

A Polícia de Segurança Pública mostra-se preocupada com o elevado número de multas por desobediência às regras impostas no âmbito da pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


Nas últimas 24 horas, a PSP deteve cinco pessoas e levantou mais de uma centena de autos. O balanço é feito à Renascença pelo intendente Nuno Carocha, que se mostra surpreendido com os “números muito elevados”.

“No contexto do estado de emergência, encerrámos 22 estabelecimentos por incumprimento dos horários de funcionamento, fizemos cinco detenções – uma por violação do confinamento decretado pelas autoridades de saúde, duas por recusa em encerrar o estabelecimento comercial e outras duas por desobediência ao dever geral de recolhimento”, indica.

“Levantámos ainda 128 autos. Destacamos 46 por consumo de bebidas alcoólicas na via pública e 16 por não utilização da máscara na via pública”, acrescenta.

O porta-voz da PSP considera que “são números muito elevados” e diz que, “por esta altura, já esperaríamos ter números bem mais reduzidos e verificar um maior grau de cumprimentos das normas”.

No primeiro confinamento, diz Nuno Carocha, “em março/abril de 2020, recebíamos muitos contactos de cidadãos que telefonavam para as esquadras ou que enviavam um email a sinalizar ajuntamentos na via pública, estabelecimentos a funcionar fora de horas, festas ilegais, anúncios de festas nas redes sociais, etc”.

A PSP agradece a colaboração. “Foi algo que nos ajudou imenso em termos de eficácia de fiscalização”. Por isso, o porta-voz da polícia reforça: “continuamos muito disponíveis e acolhemos com muito agrado essa informação que a população entende fazer-nos chegar. São auxiliares preciosos e que desde já agradecemos”.

O segundo confinamento geral começou no dia 15 de janeiro, com regras que têm vindo a ser cada vez mais apertadas. Nesta sexta-feira, o Governo deve anunciar o fecho de todas as escolas.

Ruas vazias, negócios fechados. Portugal volta a acordar em confinamento
Ruas vazias, negócios fechados. Portugal volta a acordar em confinamento
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+