Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Hora da Verdade

Presidente do Conselho de Ética receia “comercialização da eutanásia”

21 jan, 2021 - 06:33 • Eunice Lourenço (Renascença) e Helena Pereira (Público)

Jorge Soares afirma que hoje em dia “há muito mais gente a aceitar que haja pedidos de morte antecipada”, mas alerta que a eutanásia implica “sofrimento adicional”.

A+ / A-

O médico patologista Jorge Soares explica os riscos da legalização da eutanásia, aprovada esta semana na Assembleia da República e fala sobre o sofrimento solitário de alguns doentes. Uma entrevista para ouvir aqui ou esta quinta-feira às 23h na Renascença.

O Parlamento aprova esta quinta-feira na especialidade a legalização da eutanásia. O CDS pediu o adiamento da votação na semana passada, argumentando que o momento pandémico não é o mais apropriado. Que lhe parece?

Não sei se é exatamente isso que queria o CDS. Mas no momento em que estamos preocupados com muita gente que está a morrer e que não devia ter morrido, se houvesse outras condições, fica agressivo estarmos a falar de modalidades jurídicas para legalizar a morte antecipada. Há aí um problema de sensibilidade, mas a sensibilidade é com cada um.

Esta discussão devia ser diferida no tempo por causa da Covid-19?

Isso não digo. Entendo que algumas pessoas fiquem um bocadinho incomodadas por se estar a discutir este assunto, quando há outro tão importante. Mas não estou aqui a alinhar junto daqueles que acham que este texto devia ser diferido. É um texto que fez um trajecto longo, desde 2017. O caminho também foi feito na sociedade. Temos de o reconhecer. Não conheço o texto final – este não foi submetido a parecer, mas infiro que não anda longe dos projectos apresentados. É um exercício de síntese.

“Considera-se eutanásia não punível a antecipação da morte por decisão da própria pessoa, maior, em situação de sofrimento extremo, com lesão definitiva, de gravidade extrema, de acordo com o consenso científico, ou doença incurável e fatal, quando praticada ou ajudada por profissionais de saúde.” Esta foi a definição a que se chegou por consenso. Que lhe parece?

A definição procura salvaguardar que a lei não possa abrir esta faculdade jurídica a situações que não são aquelas em que os parlamentares pensaram.

Enunciaram logo as condições que são muito limitativas e que podem dar resposta a pessoas que estão em agonia, em sofrimento extremo e temos de reconhecer que há pessoas em final de vida em grande sofrimento.

O sofrimento é uma experiência solitária e há pessoas que têm um sofrimento que consideram que é insuportável e não vêem horizonte na sua vida. Tenho um grande respeito por quem pede para partir. A compaixão impele-nos a ter um grande respeito e a não fazer juízos de valor sobre isso. Se me pergunta se era capaz de os ajudar a partir: não.

Como é que podemos ajudar estas situações? Melhorando a medicina paliativa – mas nem todos os doentes que se encontram nas condições que enunciou pretendem medicina paliativa. E, por outro lado, a medicina paliativa só pode dar resposta a 20% das necessidades, não por falta de esforço destes profissionais, que são heróis nesta cruzada de ampliar a medicina paliativa – e deve-se reconhecer algum esforço dos governos em criar uma rede que os possa apoiar. É uma questão também vocacional.

Se perguntarmos a um estudante de Enfermagem ou Medicina o que quer ser quando se especializar, todos eles falam em medicinas tecnológicas, em salvar vidas. Esta parte da medicina muito pesada, e de compaixão, tem algumas dificuldades.

Das suas palavras, depreendo que considera que a sociedade está hoje preparada para aceitar esta nova legislação?

Não digo preparada, digo que há muito mais gente a aceitar que haja pedidos de morte antecipada.

E também há mais sensibilidade para a medicina de compaixão de que falava, de lidar com a morte, que é uma coisa sobre a qual todos tendemos a falar pouco.

Não falamos das coisas que nos afligem, não é? Fugimos a esse assunto e só olhamos para ele de fora.

Esta legislação, e houve muita preocupação em melhorá-la, tive algumas conversas como o deputado João Semedo e sempre nele percebi uma enorme preocupação em que esta situação não deslizasse para objetivos que não eram os que estavam a ser pensados. Mas há três problemas muito grandes: a construção deste caminho administrativo-legal, que é muito complexo – haver um médico orientador que organiza o processo e pergunta ao doente não sei quantas vezes e que contacta um médico especialista e um psiquiatra para avaliar a consistência da vontade, se houver muitas dúvidas. Isto é um processo longo e penoso e que induz sofrimento adicional.

Outro problema é a participação dos médicos. Não se assegurou que primeiro havia médicos em número suficiente para responder a estas necessidades. Não há muitos médicos que sejam capazes de aceitar conduzir o processo.

Mas será um pequeno número de casos, portanto não serão precisos muitos médicos.

Quando estamos a criar uma lei, a sua aplicação tem de ser universal. Podemos estar em Alcoutim, Vimioso ou Mondim de Basto. Não estamos a falar da periferia de Lisboa.

Em alguns países, verificou-se as rampas deslizantes. Começamos com uma lei com uma formulação muito fechada e acaba por se ir abrindo. Como se consegue travar isso?

Neste momento, estou mais preocupado com uma outra rampa deslizante, não é tanto a das portas que se abrem. Como podemos controlar? Através de vigilância.

Está preocupado com quê?

Acho que o SNS não está em condições de assegurar o ato de produzir a morte em condições adequadas nas suas instalações de cima a baixo do país. A lei diz que as instituições de solidariedade e os privados podem assumir esse papel e é aqui que acho que, não havendo condições no SNS...

Essa questão também se colocou quando foi a despenalização do aborto e o SNS teve de se adaptar.

Era muito mais fácil. Abortamentos sempre ocorreram no SNS por razões de saúde. Não é uma prática diferente do que se fazia.

Mas conclua o seu raciocínio sobre não haver condições no SNS.

O meu receio é que haja uma comercialização ou uma rampa deslizante para a criação de uma área comercial, que isto se constitua como uma área de negócio, o que é muito perigoso.

Eu não estou a ver que, por exemplo, o Hospital de Bragança tenha as condições para que aquilo se faça com dignidade, serenidade. Quanto mais periférico, maior número de dificuldades e maior número de médicos com objeção.

Podemos ter uma lei feita em nome da dignidade, mas que poderá não assegurar essa dignidade, é isso?

É sempre difícil quando lidamos com questões desta complexidade encontrar uma lei ou um enunciado jurídico que seja simples a dar resposta a todos os problemas. Muita gente pode dizer: “Bom, mas o caminho faz-se a caminhar.”

O conselho terminou o seu mandato em Março do ano passado e ainda não houve recondução. Porquê?

Nós acolhemo-nos na AR. Os partidos é que fornecem um contingente de seis personalidades.

E esqueceram-se?

Esquecidos não podem estar, porque eu próprio já alertei o Parlamento quatro vezes desde setembro de 2019. Embora o conselho continue a funcionar, e tem legitimidade, falta-lhe alguma legitimação.

E nesta altura há muitos temas.

Também acho. As entidades independentes que têm de nomear já fizeram as suas nomeações logo no início de 2020 e ninguém pode tomar posse, porque só podem tomar posse com os outros escolhidos pela AR.

Existem nomes, mas não estão em funções. O que está em funções é ainda o conselho que vem detrás. É uma expressão de pouca consideração.

Pensar ainda é uma coisa perigosa em Portugal e portanto ter alguém que possa fazer uma reflexão de natureza ética relacionada com as situações emergentes se calhar incomoda muita gente.
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+