Tempo
|
A+ / A-

Confinamento geral

Espaços de Cultura voltam a fechar, Costa reconhece que setor "tem razão de queixa"

13 jan, 2021 - 19:50 • Redação com Lusa

Primeiro-ministro diz que ministra da Cultura vai "medidas de apoio" ao setor esta quinta-feira, no âmbito do novo confinamento geral que entra em vigor às 00h de sexta-feira.

A+ / A-

Veja também:


Os equipamentos culturais terão de encerrar a partir das 00h de sexta-feira, em Portugal Continental, no âmbito das medidas anunciadas esta quarta-feira pelo Governo, face ao aumento contínuo dos números de mortes e infetados com Covid-19.

Portugal vai “regressar ao dever de recolhimento domiciliário”, a partir das 00h de sexta-feira, tal como em março e em abril, anunciou hoje o primeiro-ministro, António Costa, em conferência de imprensa no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, alertando para este ser, simultaneamente, o momento “mais perigoso, mas também um momento de maior esperança” com as primeiras fases de vacinação em curso.

À semelhança do que aconteceu em março do ano passado, os equipamentos culturais voltam agora a ter de encerrar, suspendendo-se concertos, peças de teatro, exposições e outros espetáculos.

A paralisação da Cultura começou na segunda semana de março, depressa se estendeu a todas as áreas e, no final de 2020, entre “plano de desconfinamento” e estados de emergência, o setor somava perdas superiores a 70% em relação a 2019.

O essencial das medidas do novo confinamento
O essencial das medidas do novo confinamento

"Têm-se queixado e com razão"

O primeiro-ministro reconhece que o setor da Cultura "tem-se queixado e com razão, porque é naturalmente atingido" pelo confinamento agora decretado, e remeteu para quinta-feira o anúncio de medidas de apoio.

Na quinta-feira, adiantou Costa, a ministra da Cultura e o ministro da Economia apresentarão "um conjunto de medidas de apoio aos setores que são particularmente atingidos".

De acordo com decisão do Governo, os equipamentos culturais terão de encerrar a partir das 00:00 de sexta-feira, em Portugal Continental, tal como aconteceu em março do ano passado.

Em 2020, a paralisação da Cultura começou na segunda semana de março, depressa se estendeu a todas as áreas e, no final de 2020, entre “plano de desconfinamento” e estados de emergência, o setor somava perdas superiores a 70% em relação a 2019.

Portugal vai “regressar ao dever de recolhimento domiciliário”, a partir das 00:00 de sexta-feira, tal como em março e em abril, anunciou o primeiro-ministro, António Costa, na conferência de imprensa, alertando para este ser, simultaneamente, o momento “mais perigoso, mas também um momento de maior esperança”.

Na semana passada, várias estruturas da Cultura anunciaram a marcação de um protesto nacional para dia 30, de alerta para o que consideram a falta de respostas do Governo perante "as consequências devastadoras da pandemia".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.