Tempo
|
A+ / A-

Covid-19: Líder do CDS-PP acusa Governo de “correr atrás do prejuízo”

08 jan, 2021 - 19:38 • Lusa

“A cegueira ideológica deste Governo levou ao colapso do Serviço Nacional de Saúde e é preciso dizer que o rei vai nu”, critica Francisco Rodrigues dos Santos.

A+ / A-

Veja também:


O presidente do CDS-PP acusa o Governo de não ter tomado medidas em tempo útil “por preconceito ideológico” e estar agora a “correr atrás do prejuízo”, admitindo que estão em cima da mesa vários cenários de confinamento.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma audiência com o primeiro-ministro, António Costa, em São Bento, sobre um eventual agravamento das medidas de combate à covid-19 em Portugal, Francisco Rodrigues dos Santos apontou a reunião de terça-feira com os epidemiologistas no Infarmed como decisiva para o executivo optar entre algumas hipóteses possíveis.

“Desde logo, um confinamento geral exatamente idêntico ao que tivemos a partir de março por um período de 15 dias, inicialmente, ou um confinamento mais do estilo do que tivemos a partir de maio e que ocorrerá pelo mesmo período de tempo”, afirmou.

Para o líder do CDS-PP, um novo confinamento deve ser “solução de último recurso e tomada apenas como “medida excecional”.

“O CDS está muito alarmado com estes números escandalosos de mortos e de infetados dos últimos dias. O Governo não tomou medidas em tempo útil e continua a correr atrás do prejuízo”, acusou, apontando que muitos especialistas reclamam a necessidade de mais testes e mais inquéritos epidemiológicos.


O presidente dos democratas-cristãos lamentou ainda que tenha sido rejeitada uma proposta a que o partido chamou ‘via verde para a saúde’, e que passava pela contratualização com os privados e setor social de consultas e exames para permitir que os doentes não covid não fossem tão prejudicados pela pandemia.

“O CDS entende que a cegueira ideológica deste Governo levou ao colapso do Serviço Nacional de Saúde e é preciso dizer que o rei vai nu”, criticou.

Acompanhado pelo líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia, e pelo ‘vice’ do partido António Carlos Monteiro, Rodrigues dos Santos defendeu ainda que todos os idosos deveriam ter sido incluídos na primeira fase do plano de vacinação e não apenas aqueles que residem em lares ou têm determinadas doenças associadas.

Questionado quem deveria sair dessa primeira fase para que todos os idosos fossem vacinados mais rapidamente, o líder do CDS-PP remeteu essa reflexão para os especialistas em saúde pública.

“Numa primeira fase, devem ser priorizados os que têm maior taxa de letalidade, os idosos são os que estão a morrer mais por covid-19 e deveriam ser colocados a salvo desta pandemia para acabar de vez com esta bancarrota moral”, defendeu.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.899.936 mortos resultantes de mais de 88 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 7.590 pessoas dos 466.709 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

O estado de emergência decretado em 9 de novembro para combater a pandemia foi renovado com efeitos desde as 00h00 de 8 de janeiro, até dia 15.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+