Tempo
|
A+ / A-

Procurador Europeu

Van Dunem relembrou caso UGT para dar força ao nome de José Guerra, diz Miguel Romão

06 jan, 2021 - 18:48 • Redação

Alegada participação do magistrado escolhido para ser procurador europeu no caso UGT foi uma das informações falsas que o Ministério da Justiça admitiu existir na nota enviada ao Conselho da União Europeia. Antigo Diretor-Geral da Política da Justiça insiste que foi Francisca Van Dunem quem defendeu a escolha de José Guerra.

A+ / A-

O antigo Diretor-Geral da Política da Justiça (DGPJ) garante que foi a ministra da Justiça quem defendeu a escolha do magistrado José Guerra para o cargo de procurador europeu, junto do Conselho da União Europeia.

A notícia é avançada pelo jornal digital Observador, que cita declarações de Miguel Romão que, esta semana, abandonou o cargo, na sequência da polémica relacionada com as informações falsas no currículo de José Guerra.

O ex-DGPJ garante que o facto de José Guerra ter participado no caso UGT “foi relembrado pela senhora ministra da Justiça” como um dos argumentos que deveriam ser usados pela DGPJ na carta que Van Dunem decidiu enviar para o Conselho através da Representação Permanente (REPER) de Portugal junto da União Europeia.

Depois de analisar os nomes dos três procuradores portugueses enviados pelo Ministério da Justiça (Ana Carla Almeida, José Guerra e João Conde), o comité de peritos da UE decidiu que a procuradora do DCIAP era o nome “mais adequado para exercer as funções de procurador europeu no Ministério Público Europeu”.

Na sequência dessa avaliação, a ministra da Justiça convocou uma reunião no Ministério da Justiça, a 26 de novembro, com o seu chefe de gabinete, Henrique Rosa Antunes, com o diretor-geral Miguel Romão e com outros técnicos.

Num encontro que terá durado cerca de meia hora, Van Dunem sublinhou a discordância do Governo com a escolha do painel de especialistas, uma vez que a mesma entrava em confronto com a seleção de José Guerra feita pelo Conselho Superior do Ministério Público a 28 de fevereiro de 2019.

O Observador acrescenta que Miguel Romão tomou nota das palavras da ministra e assegura que outras pessoas, presentes nessa reunião de 26 de novembro, ouviram a mesma versão.

Miguel Romão admitiu que Francisca Van Dunem referiu o caso UGT para realçar a experiência de José Guerra na investigação de casos criminais relacionados com desvio de fundos europeus.

No entanto, essa participação do magistrado escolhido por Portugal para a Procuradoria Europeia foi, precisamente, uma das informações falsas que o Ministério da Justiça admitiu existir na nota enviada ao Conselho da União Europeia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    06 jan, 2021 Lisboa 21:07
    É evidente que esta história está desde o início muito mal contada pela ministra da Justiça. Ela não tem condições para se manter no cargo. E o primeiro-ministro, que lhe deu cobertura, também não. Ver-se-á o resultado da intimação, destinada à apresentação de todos os documentos relacionados com este assunto, requerida pelo Juiz Desembargador preterido.

Destaques V+