Tempo
|
A+ / A-

Boavista baixa dívida com sociedade detentora do crédito do BPI em 4,2 milhões

23 dez, 2020 - 11:01 • Redação com Lusa

Direção negociou diminuição da despesa pendente para 1,8 milhões de euros, dos quais 600 mil já foram liquidados.

A+ / A-

O Boavista acordou a reestruturação da dívida com a sociedade detentora do crédito do banco BPI, tendo reduzido 4,2 milhões de euros (ME) ao seu passivo, confirmou à Lusa fonte do clube portuense.

Num acordo considerado histórico pelos axadrezados, a direção liderada por Vítor Murta conseguiu negociar a diminuição da despesa pendente de seis para 1,8 ME, dos quais 600 mil euros já foram liquidados. Resta pagar 1,2 ME à sociedade em causa.

A reestruturação financeira do Boavista tem proporcionado o estabelecimento de acordos com vários credores. Entre eles está a Somague, que retirou em janeiro o pedido de insolvência do clube e acordou baixar a dívida reclamada de 55 para 19 ME.

A empresa de construção e obras públicas pediu a insolvência do Boavista em 2017, no Tribunal de Comércio de Vila Nova de Gaia. Argumentava que o clube tinha falhado os prazos de pagamento da dívida contraída devido à construção do Estádio do Bessa.

O acordo de reestruturação da dívida à Somague prevê o pagamento faseado a partir de 2020 e durante 10 anos. Algumas dessas prestações já foram liquidadas.

A SAD do Boavista beneficia, desde 2018, de um Processo Especial de Revitalização (PER), que veio substituir o Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial (SIREVE), ao qual aderiu há seis anos para regularizar as dívidas a vários credores.

O Boavista, na 15.º posição, com os mesmos nove pontos de Gil Vicente e Tondela, recebe o Sporting de Braga, quarto colocado, com 21, na segunda-feira, às 21h00, no Estádio do Bessa, num encontro da 11.ª jornada da I Liga.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+