Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Teletrabalho veio para ficar? Maioria das empresas quer adotar sistema misto

15 dez, 2020 - 16:27 • Lusa

Estudo indica que, depois da pandemia, 86% das empresas ponderam manter dois ou mais dias de trabalho remoto por semana.

A+ / A-

Um estudo realizado pelo Kaizen Insitutute concluiu que 70% das empresas inquiridas “pretendem adotar um sistema misto”, entre teletrabalho e presencial, depois da pandemia, segundo um comunicado divulgado esta terça-feira.

Assim, 68% dos “responsáveis de recursos humanos inquiridos” para este barómetro “afirmaram que as suas empresas pretendem adotar o trabalho remoto de forma estrutural, numa lógica de complementaridade em relação ao trabalho presencial”, sendo que “86% dos inquiridos ponderam manter dois ou mais dias de trabalho remoto por semana”.

Ainda assim, “85% não pagam ajudas de custo aos colaboradores em teletrabalho e somente 8% pensam vir a fazê-lo”, lê-se na mesma nota.

Além disso, “70% dos inquiridos consideram que a eficiência dos colaboradores em regime de teletrabalho será equivalente ou superior à registada num cenário pré-Covid”, com 30% a referirem que “a eficiência será menor”.

Entre os maiores desafios à implementação do teletrabalho identificados pelas empresas estão a “falta de garantia de comunicação eficiente e clara (71%) e a dificuldade de adaptação dos ‘standards’ e protocolos de trabalho aos novos padrões (47%)", indicou a Kaizen.

Por outro lado, “44% dos inquiridos afirmam que o grau de alinhamento das competências digitais dos colaboradores é médio, pelo que têm já um plano de treino e recrutamento definido para acompanhar o barco da transformação digital”, enquanto 38% dos inquiridos dizem “que os seus colaboradores estão dotados das competências digitais necessárias”.

O barómetro RH 2020/21 questionou cerca de 150 diretores de recursos humanos de grandes e médias empresas nacionais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+