Tempo
|
A+ / A-

Magina da Silva defende fusão da PSP e SEF

13 dez, 2020 - 19:47 • Fábio Monteiro

O diretor da PSP revelou ter “proposto, de forma muito direta” a Marcelo que a PSP seja extinta e o SEF extinto.“E surge uma polícia nacional, como, aliás, acontece em Espanha, França e Itália”, disse.

A+ / A-

Magina da Silva, Diretor Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), quer que seja criada uma Polícia Nacional, à imagem do que já acontece em Espanha, para integrar o SEF e a PSP.

“O que tem sido anunciado e tem sido trabalhado com o Ministério da Administração Interna passará não pela absorção, mas pela fusão entre a PSP e o SEF”, afirmou Magina da Silva, depois de um encontro com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, após dias de polémica em torno da morte de um cidadão ucraniano nas instalações do SEF no aeroporto de Lisboa, em março.

O diretor da PSP disse ter “proposto, de forma muito direta”, e que abordou o assunto “com o senhor Presidente”, que a PSP seja extinta e o SEF extinto.

“E surge uma polícia nacional, como, aliás, acontece em Espanha, França e Itália”, descreveu.

A hipótese de extinção do SEF a transferência de competências para a PSP e GNR foi noticiada nos últimos dias pelo semanário Expresso e diário ‘on-line’ Observador e não teve qualquer comentário da parte do Governo.

Uma tristeza, um orgulho

A reunião entre o responsável máximo da PSP e o Presidente da República estava marcada para a próxima semana, mas foi antecipada devido ao homicídio de um agente, em Évora, esta noite, após ter invertido num caso de violência doméstica. “É sempre bom ouvir da voz” do Presidente da República “palavras de “ânimo”, disse.

“Hoje, simultaneamente, é um de tristeza, mas também de orgulho [para a PSP]. É um dia de tristeza porque um de nós tombou. Estava fora de serviço, mas [ao presenciar um crime] interveio por apelo da sua missão. Infelizmente, perdeu a vida. Honrou o juramento que que todos os agentes fazem”, confessou.

Magina da Silva escusou-se a entrar em detalhes sobre o sucedido, mas disse que o agente António Doce, de 45 anos, foi atropelado de forma “aparentemente intencional”.

O crime da violência doméstica é algo que “aflige muito” a PSP, mas “é muito difícil de prevenir”, já que tem origem em “coisas do coração, não da razão”, afirmou.

“É uma grande frustração que temos enquanto órgão de polícia criminal não conseguirmos baixar o número de mulheres que morrem no âmbito da criminalidade relacionada com a violência doméstica”, disse ainda.

Tendo em conta todos os indícios, o diretor da PSP revelou já ter dado luz verde para arrancar o processo de indemnizar - “agilizar os procedimentos compensatórios” - a família de António Doce.

Ucraniano? “É indiferente”

À saída do encontro com Marcelo, Magina da Silva foi também questionado pelos jornalistas sobre o mais recente caso de violência policial, na Póvoa de Varzim. Um cidadão ucraniano acusa a PSP de ter sido violentamente agredido, na passada sexta-feira, após ter sido detido.

O diretor da PSP afirmou que, para a PSP, “é totalmente indiferente se um cidadão é ucraniano, chinês ou português”. O que importa, sublinhou, são os “comportamentos observáveis”.

O cidadão ucraniano em causa estaria a circular de carro na via pública sem os faróis acesos e alcoolizado, quando foi detido. “Foi agressivo, teve ser restringido e teve de ser algemado”, explicou.

Magina da Silva disse que a PSP não tem nada a esconder. Por isso mesmo, o inquérito aberto será feito “sem qualquer tipo de prurido”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge Manuel Coutinh
    14 dez, 2020 Santarém 10:26
    Se querem uma fusão entre policias , o certo será a fusão do SEF, com a GNR a qual tinha a referidas valências a quando a existência da Guarda Fiscal e a qual passaou para a alçada da GNR rigada Fiscal
  • Filipe
    13 dez, 2020 évora 22:56
    Estar só ou fundido , a massa humana é a mesma e com isso nos últimos tempos tem-se assistido de forma descarada fora a percentagem levada de agressões a civis que membros das forças de segurança ativam para se armarem em capangas e justiceiros da maldade , não contando com a criminalidade interna desses membros . A bem ver , os já condenados e afastados seriam mesmo mais e muito mais , não fosse os tribunais por vezes darem uma ajudinha a absolvições . Queira todos os acusadores de agressões por órgãos de polícias criminais estarem munidos de bons advogados que pudesses recorrer até ao tribunal Europeu dos Direitos do Homem , então a desgraça seria bem pior .