Tempo
|
A+ / A-

Cientista da Universidade do Minho recebe bolsa "milionária" do Conselho Europeu de Investigação

09 dez, 2020 - 14:30 • Olímpia Mairos

Conselho de Investigação Europeu atribui bolsa no valor de dois milhões de euros a uma investigadora da Universidade do Minho. Ana João Rodrigues vai desenvolver projeto em neurociências.

A+ / A-

A investigadora do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Escola de Medicina da Universidade do Minho, Ana João Rodrigues, recebeu uma bolsa do Conselho Europeu de Investigação (ERC) que garante dois milhões de euros para desenvolver o seu projeto de investigação em neurociências.

A proposta da equipa liderada pela neurocientista procura perceber de que forma o cérebro perceciona e codifica o prazer e a aversão.

A investigadora explica que tentam “perceber como é que os neurónios no nosso cérebro conseguem perceber se o estímulo é positivo ou é negativo”.

De acordo com Ana João Rodrigues, a bolsa é o “culminar de muitos anos de esforço e do papel da equipa e da instituição neste caminho.

“Só conseguimos chegar aqui porque tivemos a sorte de estar numa instituição que acredita no nosso trabalho e que nos dá liberdade para desenvolver projetos ambiciosos e um pouco ‘fora da caixa’”, observa a neurocientista, para quem a bolsa do Conselho Europeu de Investigação é o “reconhecimento por pares, a nível internacional, da excelência de investigação de uma equipa”.

O reconhecimento deixa Ana João Rodrigues “extremamente orgulhosa”, acrescentando que esta “é uma marca de qualidade da investigação científica que qualquer cientista quer alcançar”.

As bolsas científicas ERC são as mais prestigiadas e competitivas da Europa. Premeiam projetos individuais cuja seleção é fundamentada no currículo do investigador e na excelência do projeto a executar. As bolsas de consolidação de carreira, como é o caso, são atribuídas a investigadores que tenham entre sete a doze anos de experiência, após completarem o doutoramento.

Ana João Rodrigues tem 39 anos e é natural de Vila Nova de Famalicão. É licenciada em Biologia Aplicada em 2003, na Universidade do Minho, tendo-se doutorado em Ciências da Saúde, em 2008, na Escola de Medicina da UMinho.

Atualmente lidera uma equipa de investigação no ICVS, após larga experiência em laboratórios internacionais de referência nos EUA, Holanda, Itália, Finlândia e Portugal. O seu trabalho de investigação centra-se na forma como o cérebro codifica eventos de prazer e aversão, conducentes a comportamentos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+