Tempo
|
A+ / A-

Moçambique

Papa doa 100 mil euros para apoiar deslocados de Cabo Delgado

06 dez, 2020 - 13:35 • Lusa

A verba que vai servir para erguer dois postos de saúde. Sujeitos à fome e a longos dias de fuga no mato, os cuidados de saúde estão entre as principais necessidades das famílias.

A+ / A-

O Papa Francisco doou 100 mil euros para apoiar deslocados da violência em Cabo Delgado, norte de Moçambique. A informação é avançada pelo bispo de Pemba à Lusa.

"Num gesto de caridade pastoral, o Papa Francisco ofereceu 100 mil euros para podermos aplicar no atendimento aos deslocados", referiu o prelado Luiz Fernando Lisboa, detalhando ser um gesto frequente do líder da igreja católica face a situações complicadas em todo o mundo.

O donativo devia servir para construir "dois postos de saúde: um em Chiúre, o distrito mais populoso de Cabo Delgado; e outro em Montepuez, sudoeste da província”, longe dos ataques de rebeldes e um dos locais seguros que os deslocados em fuga tentam alcançar.

Após perderem tudo, sujeitos à fome e a longos dias de fuga no mato, os cuidados de saúde estão entre as principais necessidades das famílias que fogem da guerra - sendo metade crianças.

"Com certeza, como homenagem, vamos dar o nome de Papa Francisco" aos novos postos de saúde, referiu Luiz Fernando Lisboa, explicando que já há desenho e orçamento para brevemente começar a construção.

Dentro de dois a três meses as duas unidades deverão começar a atender deslocados.

O bispo de Pemba considera importante o apoio de figuras mobilizadoras como o Papa para que mais doações possam chegar a Cabo Delgado, onde persiste um défice de ajuda humanitária face à dimensão da crise.

"Se a guerra terminasse hoje, íamos precisar ainda de vários anos para reconstruir" o tecido social da província, destacou.

Francisco tem mostrado proximidade com o drama que se vive no norte de Moçambique "desde há muitos meses" e mais explicitamente "no dia de Páscoa, em que falou da crise humanitária".

Depois de o Papa começar a falar de Cabo Delgado "houve uma maior abertura por parte de muitos grupos, organizações e inclusive de vários países. Acredito que a figura dele, muito emblemática, forte, tenha dado essa ajuda para tornar esta crise não apenas nossa, de Cabo Delgado, mas uma crise em que o mundo todo tem de ser responsável", detalhou o bispo.

A violência armada em Cabo Delgado, norte de Moçambique, está a provocar uma crise humanitária com cerca de duas mil mortes e 500 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

A província onde avança o maior investimento privado de África, para exploração de gás natural, está desde há três anos sob ataque de insurgentes e algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo jihadista do autoenominado Estado Islâmico desde 2019.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+