Tempo
|
A+ / A-

Eurodeputado demite-se depois de ter participado em orgia durante o confinamento

01 dez, 2020 - 17:51 • Redação

O diplomata, próximo de Órban, admitiu esta terça-feira o envolvimento numa festa ilegal, com mais de 25 participantes e onde foram encontradas várias drogas.

A+ / A-

József Szájer, eurodeputado do Grupo do Partido Popular Europeu, admitiu ter participado numa festa de sexo com 25 pessoas na passada sexta-feira. O evento foi interrompido pela polícia de Bruxelas, numa altura em que a capital belga, tal como o resto do país, está em estrito confinamento social e só é permitido sair de casa para comprar comida, ir ao médico, dar apoio a pessoas com necessidades ou fazer exercício físico.

O diplomata de 59 anos, próximo do primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, emitiu, no passado domingo, uma declaração, a anunciar a sua demissão e a pedir desculpa à família, aos colegas e aos constituintes, por aquilo que considera uma “irresponsabilidade” e um “erro” isolado, ao fim de “trinta anos de trabalho persistente e dedicado”.

“As notícias na imprensa belga referem uma festa privada em Bruxelas na sexta-feira. Eu estava presente”, refere em comunicado. “Não usei drogas. Ofereci-me para fazer um teste rápido mas eles não quiseram. De acordo com a polícia foram encontradas pastilhas de ecstasy, mas não são minhas nem sei quem as colocou nem como”, acrescenta.

A festa aconteceu num apartamento na Rue des Pierres, no centro da capital belga. Todos os participantes foram multados por desobediência às restrições impostas no combate à pandemia, avançou o jornal belga Het Laatste Nieuws.

Szájer, aliado de Órban, é também o autor da Constituição que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Hungria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Lisboa
    02 dez, 2020 Paredes 21:16
    Que gozo...aprovam leis anti-LGBT e depois são apanhados de calças na mão? E com pastilhas de ecstasy? Nunca o hitlarilas foi tão actual. Um circo os chagas desta Europa. Ventura? Já botaste discurso?
  • iva serra
    02 dez, 2020 beja 13:03
    Grandes hipócritas os compadres húngaros do Ventura, nada surpreendente.
  • pina
    02 dez, 2020 sintra 11:59
    Não seria o tal congresso do Chega? O tal que era para ter sido e não foi?
  • Rui Dias
    02 dez, 2020 Damaia 10:14
    Lindo, drogas e orgias gay! Estava lá algum delegado do Chega?
  • manuel ferraz
    01 dez, 2020 Porto 20:46
    Aos poucos vamos ouvindo e lendo o que fazem os eurodeputados no parlamento europeu. Mais o que não fazem. Que Vergonha quando se passa tão mal na Europa.