Tempo
|
A+ / A-

Novo comité central do PCP eleito com 98,5%

28 nov, 2020 - 19:46 • Lusa

Votação decorreu à porta fechada no congresso que decorre em Loures. A lista, proposta pelo anterior comité central, é composta por 129 nomes, 19 deles estreantes, registando-se a saída de 33 membros, entre eles Carlos Carvalhas, Arménio Carlos e Agostinho Lopes.

A+ / A-

O novo comité central do PCP foi eleito este sábado no XXI congresso nacional dos comunistas, em Loures, com 98,5% dos votos.

Dos 611 delegados, 602 votaram a favor, seis abstiveram-se e três votaram contra na eleição que decorreu à porta fechada, no pavilhão Paz e Amizade, em Loures, Lisboa, anunciou Luísa Araújo, membro do secretariado do PCP, numa declaração aos jornalistas sem direito a perguntas.

A lista, proposta pelo anterior comité central, é composta por 129 nomes, 19 deles estreantes, registando-se a saída de 33 membros, entre eles Carlos Carvalhas, Arménio Carlos e Agostinho Lopes.

Segundo Luísa Araújo, a composição “corresponde às características do PCP, é composto por uma maioria de operários e empregados, mais de 67%” e há também “uma forte componente de operários, 44,9%”.

Há quatro anos, o comité central do foi eleito com 98,67% dos votos.

À noite, o novo comité central vai eleger o secretário-geral e os órgãos executivos – secretariado e comissão política – mas a organização do congresso só planeia anunciar os resultados no domingo de manhã.

Jerónimo de Sousa, 73 anos, líder dos comunistas há 16 anos, desde 2004, deverá ser reeleito para mais um mandato de quatro anos.

Domingo é o terceiro e último dia do congresso em que serão anunciados os resultados das eleições, é votada a proposta de resolução política, ou teses.

O congresso termina com o discurso do secretário-geral dos comunistas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    28 nov, 2020 PORTUGAL 22:06
    " FECHARAM A PORTA " para votarem. Já houve VOTOS CONTRA. A percentagem, LÁ dentro, já DESCEU. Resultados anunciados sem DIREITO a perguntas. Mas o que não entendo ou não compreendo é quando dizem " o Comité Central é composto por OPERÁRIOS e EMPREGADOS na ordem dos 67/100 ". Os OPERÁRIOS estão, se calhar, em melhores condições, pois pelos vistos são QUASE 45/100. Assim sendo, temos 33/100 a VIVEREM na sombra dos OUTROS, ou seja no BEM BOM. Digo isto porque o(a) Elemento que anunciou os DADOS aos Jornalistas é do Comité Central. Estamos assim, perante um PARTIDO que diz ser Democrático, mas fecha as portas. Um Partido que é DIRIGIDO por TRABALHADORES, mas quem vive no AR CONDICIONADO da Assembleia da República são os BURGUESES. E depois disto tudo, teem de ser os TRABALHADORES e o POVO a pagar o AUMENTO das COTAS. Teem, os Trabalhadores e o Povo, sorte, pois poderiam ter de aumentar as COSTAS. No FUNDO, bem lá no FUNDO, este PARTIDO já não faz sentido, pois o SEU DISCURSO é VELHO e sempre a mesma LENGA, LENGA. Claro que há no PCP BOAS CABEÇAS, mas teem de fazer um RETIRO e não UM CONGRESSO. Espero que o COVID-19 não faça mais ESTRAGOS.