Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

"Vidas não têm prazo de validade". Costa rejeita deixar idosos fora do acesso prioritário à vacina

27 nov, 2020 - 11:09 • Redação com Lusa

“Não é admissível desistir de proteger a vida em função da idade”, disse o primeiro-ministro, lembrando que “há critérios técnicos que nunca poderão ser aceites pelos responsáveis políticos”.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro rejeita a possibilidade de todos os maiores de 75 anos sem doenças graves não terem acesso prioritário às vacinas contra a Covid-19, alegando que "há critérios técnicos que nunca poderão ser aceites pelos responsáveis políticos".

"Não é admissível desistir de proteger a vida em função da idade. As vidas não têm prazo de validade", declarou António Costa à agência Lusa, depois de questionado sobre a possibilidade, noticiada hoje por alguns órgãos de comunicação social, de todos os maiores de 75 anos sem comorbilidades ficarem de fora do acesso prioritário à vacina contra o novo coronavírus.

Costa acrescenta que "há critérios técnicos que nunca poderão ser aceites pelos responsáveis políticos".

Segundo uma proposta de especialistas da Direção-Geral da Saúde, reproduzida hoje nos jornais, as pessoas entre os 50 e os 75 anos com doenças graves, os funcionários e utentes de lares de idosos e os profissionais de saúde envolvidos na prestação direta de cuidados deverão ser os primeiros a ser vacinados contra a covid-19.

O Governo criou uma 'task-force' para coordenar todo o plano de vacinação contra a Covid-19, desde a estratégia de vacinação à operação logística de armazenamento, distribuição e administração das vacinas, tem um mês para definir todo o processo.

Um despacho publicado na quarta-feira em Diário da República, assinado pelos ministros da Defesa Nacional, Administração Interna e Saúde, este grupo de trabalho tem um mandato de seis meses, renovável em função do progresso da operacionalização da vacinação.

Esta sexta-feira, o CDS-PP requereu uma audição parlamentar, com caráter de urgência, do responsável pela 'task force' que vai delinear o plano de vacinação contra a Covid-19 em Portugal, o ex-secretário de Estado da Saúde, Francisco Ramos.

À Renascença, a deputada centrista Ana Rita Bessa considera que Portugal está a correr contra a tempo e diz recear que haja alguma impreparação em todo este processo.

Ana Rita Bessa acusa ainda o Ministério da Saúde em disponibilizar informação avulsa e pouco estruturada sobre os planos para a vacinação contra a Covid-19, lembrando o que está a acontecer com a vacina da gripe para fundamentar os receios de que o processo não esteja a correr tão bem como a tutela quer dar a entender.

Portugal contabiliza pelo menos 4.209 mortos associados à Covid-19 em 280.394 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 9 de novembro e até 8 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

A pandemia provocou pelo menos 1.422.951 mortos resultantes de mais de 60,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    28 nov, 2020 Lisboa 11:06
    Nota 20 em retórica. Nota 10 em credibilidade. Nota 7 em eficiência. Por acaso tem 3 ou 4 milhões de vacinas disponiveis só para essa 1.ª fase prioritária? É que é esse o numero dos "nossos idosos" que quer vacinar de imediato. Ninguém fica para trás, mas quando não há vacinas disponíveis de imediato para todos, é evidente que tem de se ter prioridades. O resto é música.
  • lula
    27 nov, 2020 Póvoa de Varzim 12:11
    Que comentários tão bonitos. Fica tão bem defender os interesses dos mais idosos, dos pobres e dos desfavorecidos. É pena que na maioria das decisões políticas os interesses defendidos sejam outros. É assim o medíocre político português ( aqui incluo todos os partidos).