Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Farmacêuticos garantem desconhecer planos para a vacinação

26 nov, 2020 - 08:48 • Marina Pimentel , Cristina Nascimento

Governo garante que está a fazer tudo para que a vacinação comece em janeiro, caso já existam vacinas disponíveis.

A+ / A-

Veja também:


Nem a Ordem dos Farmacêuticos, nem os distribuidores conhecem o plano que está a ser traçado para a vacinação contra a Covid-19.

Apesar do anúncio da ministra da Saúde, a bastonária dos farmacêuticos, diz que não houve qualquer contacto por parte do Governo. Nestas declarações à Renascença, Ana Paula Martins receia que Portugal já esteja atrasado, relativamente a outros países.

“A não ser que haja preparativos para que nós desconhecemos completamente, eu diria que não estamos muito adiantados”, diz.

“Enquanto nós olhamos para países, por exemplo, como a Alemanha que já clarificaram como é que vão fazer essa distribuição, como é que vão garantir a rede de frio, estas e outras matérias que são importantes numa operação muito complexa como é a operação da Covid-19. Portugal pode até já ter isto tudo muito pensado, mas nós não sabemos”, acrescenta.

A ministra da Saúde já veio garantir que o risco de Portugal não estar preparado para vacinar contra a Covid-19 quando a vacina for distribuída é “zero”, referindo que “há muito” que o país se está a preparar.

“Há muito que Portugal se está a preparar para receber a vacina da Covid-19. Desde meados do ano que a Comissão [Europeia] e a Agência Europeia do Medicamento pediu ao nosso país, como pediu aos outros, que indicássemos um representante que depois começou a trabalhar com uma equipa que tem estado a trabalhar no processo de aquisição de vacinas para cada Estado-membro”, disse Marta Temido.

Também esta semana,o ministro da Administração Interna anunciou que a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) vai estar envolvida na programação do planeamento e distribuição das vacinas contra a Covid-19.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+