Tempo
|
A+ / A-

Eleições EUA

Donald Trump mantém apelo para reverter resultados eleitorais

25 nov, 2020 - 23:11 • Lusa

Apesar de já ter autorizado a transição para Joe Biden, o Presidente ainda em funções nos Estados Unidos continua a apelar aos apoiantes para tentarem a todo o custo reverter o resultado das presidenciais.

A+ / A-

Donald Trump insiste que a votação de 3 de novembro “foi uma votação fraudulenta”.

Enquanto discursava, através de videoconferência, diante de vários senadores republicanos, durante a Assembleia Local da Pensilvânia, um estado predominantemente republicano, o Presidente cessante dos EUA argumentou que a certificação dos resultados é, do seu ponto de vista, mais uma prova de fraude eleitoral perpetrada pelos democratas, que "é preciso reverter".

Contudo, aos poucos, o ainda chefe de Estado norte-americano vai ficando cada vez mais isolado nas acusações infundadas de tentativa de adulteração do resultado das presidenciais.

A transição entre administrações, que estava a ser bloqueada pelo atual executivo, sustentava a decisão na crença infundada de que o resultado das presidenciais era fraudulento.

“No melhor interesse do nosso país, recomendei a Emily [Murphy, responsável da Administração dos Serviços Gerais dos EUA] e à sua equipa para fazerem o que tem de ser feito em relação aos protocolos inicias [de transição de administrações], e disse à minha equipa para fazer o mesmo”, escreveu Trump esta semana na rede social Twitter.

Contudo, o ainda chefe de Estado norte-americano não admitiu a derrota nas presidenciais e considerou, no mesmo ‘tweet’ que o ainda há hipóteses de reverter os resultados eleitorais.

“O nosso caso continua fortemente, vamos manter a boa luta e acredito que vamos prevalecer”, explicitou Donald Trump.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.