Tempo
|
A+ / A-

Eleições EUA

Donald Trump autoriza transição para Joe Biden, mas ainda não reconheceu a derrota

23 nov, 2020 - 23:46 • André Rodrigues com agências

Agência responsável pelo processo certificou a vitória do candidato democrata. Está desencadeado oficialmente o processo de transição na Casa Branca, mas Donald Trump ainda não reconheceu formalmente a derrota.

A+ / A-

A administração Trump informou o presidente eleito Joe Biden de que está pronta para iniciar o processo formal de transição.

De acordo com a estação de televisão CNN, a Administração de Serviços Gerais (GSA), liderada por Emily Murphy, enviou esta segunda-feira uma carta ao Presidente eleito dos EUA onde dá conta de que está pronta para dar início ao processo de transição da presidência.

O que equivale por dizer que Donald Trump vai, finalmente, iniciar o diálogo com o Presidente eleito a 3 de novembro.

A confirmação já foi feita pelo próprio Donald Trump, através do Twitter.

Na carta, a administradora da GSA assegura que não foi pressionada pela Casa Branca para atrasar a transição formal.

"Tomei minha decisão de forma independente, com base na lei e nos factos disponíveis", escreveu Murphy, acrescentando que nunca foi, direta ou indiretamente, pressionada por qualquer funcionário do poder executivo, incluindo aqueles que trabalham na Casa Branca.

Na missiva, a administradora da GSA acrescentou que não lhe compete “determinar o resultado de disputas legais e recontagens, nem determinar se tais procedimentos são razoáveis ou justificados".

Emily Murphy esclarece que “essas são questões que a Constituição, as leis federais e as leis estaduais deixam para o processo de certificação eleitoral e as decisões dos tribunais de jurisdição competente”.

Este passo da administração Trump vai, finalmentem permitir que a transição comece oficialmente, permitindo que os funcionários da GSA, atualmente em funções, disponibilizem à administração Biden as verbas necessárias para concretizar a passagem de poder.

Enquanto isso, os processos movidos pela campanha de Donald Trump junto dos tribunais, para atrasar a transição para Joe Biden, têm sido sucessivamente indeferidos em vários estados, por falta de provas de fraude eleitoral generalizada.

Em comunicado esta segunda-feira, também o senador republicano Rob Portman, do estado do Ohio, pediu celeridade no processo de transição, considerando que "não há evidências, até agora, de qualquer irregularidade generalizada que pudesse alterar os resultados em qualquer estado".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.