Tempo
|
Da Capa à Contracapa
Os grandes temas da atualidade em debate à Terça-feira, depois das 23h, na Edição da Noite. Uma parceria da Renascença com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.
A+ / A-
Arquivo
Quem duvida hoje da crise climática? - Da Capa à Contracapa
Quem duvida hoje da crise climática? - Da Capa à Contracapa

Da Capa à Contracapa

Quem duvida da crise climática hoje? E porque devemos confiar na ciência?

17 nov, 2020 • José Pedro Frazão


Uma conversa inserida no contexto do Mês da Ciência e da Educação, no seguimento do tema Porquê Confiar na Ciência do Clima e não só?

Quem duvida hoje da crise climática? E porque devemos confiar na ciência do clima? Em tempo pós-pandemia, temos ainda mais razões para ouvir os cientistas?

Dois professores universitários, Maria Júlia Seixas, investigadora na área da Energia; E Pedro Matos Soares, Físico da Atmosfera, explicam na Renascença porque devem os cientistas ser ouvidos no que diz respeito às alterações climáticas. Oiça o que têm a dizer na primeira pessoa. Não perca o debate com José Pedro Frazão em mais um Da Capa à Contracapa. Vai ser Terça-feira, às 23h15, na edição da Noite.

Uma conversa inserida no contexto do Mês da Ciência e da Educação, no seguimento do tema Porquê Confiar na Ciência do Clima e não só?

O Da Capa à Contracapa é uma parceria com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    19 nov, 2020 BAGUIM DO MONTE 08:54
    Eu não tenho dúvidas, o dinheiro dado para combater as alterações climatéricas, que era uma algo que fazia esboçar no outro um sorriso há uma década e agora, depois de muito repetido, um dogma e é falsa no sentido que não é esse o inimigo a combater. Pois digo façam fumo, muito fumo e deem um ganha pão a toda a mãe e pai que chora baba e ranho por o não terem para alimentar os seus filhos e pais e numa noite esse fumo foge para dentro da boca de um vulcão sem se saber porquê. Que aflição é essa que o berço onde estão fique sem uma perna? é por vós ou é pelos outros que ainda pensam vir? Se é pelos outros que virão saibam que os não conhecem e os que conhecem e vêm neste momento o mesmo céu que vós desprezais. Pois a grande alteração é esta, uma mensagem dirigida com especial incidência a toda a humanidade pois só a ela é dirigida. Temos de combater as fabricas de fazer dinheiro (Europa e América), as fabricas que não precisam de trabalhadores, dar trabalho (China), descer de nível, o trabalho serve para dignificar o Homem, o centro de tudo é o Homem, não existe nada mais belo que o riso de uma criança, nada, nem aqui nem em todo o mundo que nos é dado a conhecer, dentro desse riso existe um mundo de inimaginável beleza, uma só dessas crianças faz transbordar o imaginário do que alguma vez possa existir, essa é a realidade, cada criança tem dentro de si e atrás do seu brilho dos olhos algo que nos transcende. É mentira dizerem que não são trapos, são mesmo trapos para vós.