Tempo
|
A+ / A-

PS dá liberdade de voto nas presidenciais, mas elogia Marcelo e saúda Ana Gomes

07 nov, 2020 - 19:58 • Redação

Socialistas devem apoiar candidatos que defendem o Estado de Direito, a Constituição e "valorizem a cooperação institucional entre Governo e Presidente", apela a Comissão Nacional do partido.

A+ / A-

O PS não apresenta um candidato às eleições presidenciais de janeiro, mas a Comissão Nacional faz uma "avaliação positiva" do mandato de Marcelo Rebelo de Sousa e saúda Ana Gomes.

A Comissão Nacional do partido, que esteve reunida este sábado, aprovou uma moção em que se defende que os socialistas devem apoiar candidatos presidenciais que defendem o Estado de Direito, a Constituição e "valorizem a cooperação institucional entre Governo e Presidente".

"O PS faz uma avaliação positiva do atual mandato de Marcelo Rebelo de Sousa. Valoriza o entendimento que tem praticado da função presidencial, a proximidade com os portugueses, a solidariedade institucional com os demais órgãos de soberania, a ação na Europa e no mundo em prol dos interesses de Portugal", lê-se na moção que partiu do Secretariado Nacional do PS.

No documento, o PS destaca também a "correta cooperação institucional entre o Presidente da República e o Governo", considerando que "foi um importante contributo para que Portugal superasse a crise e retomasse o caminho do crescimento e da convergência com a União Europeia e reforçasse a sua credibilidade internacional".


"É da lógica do nosso sistema de Governo que Presidente da República, Assembleia da República e Governo não tenham de estar alinhados senão na interpretação e defesa da Constituição e do interesse nacional. A diversidade e até a tensão democrática que ocorram entre órgãos detidos por personalidades de distinta proveniência doutrinária e política são normais numa democracia madura e consolidada, como a portuguesa, e podem contribuir para que todos se sintam integrados e representados na casa comum que é Portugal", salienta-se ainda no texto da moção que saiu da Comissão Nacional do PS.

Numa clara exclusão do líder do Chega, André Ventura, o PS entende que "são de saudar as candidaturas presidenciais já apresentadas que defendem a Constituição e querem consolidar e reforçar o regime democrático".

Destas candidaturas, a Comissão Nacional do PS considera que deve ser destacada, "naturalmente, a candidatura de Ana Gomes, distinta militante socialista".

"As candidaturas presidenciais do campo democrático, na sua diversidade, proporcionarão seguramente um debate político plural, que contribuirá para afirmar a vitalidade e maturidade da democracia portuguesa, e a derrota clara da candidatura da extrema direita xenófoba", acrescenta-se.

A reunião da Comissão Nacional do PS ficou marcada pela intervenção de Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas que anunciou o apoio à candidatura de Ana Gomes e deixou críticas ao Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+