Tempo
|
João Ferreira do Amaral
Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

Dois cenários

06 nov, 2020 • Opinião de João Ferreira do Amaral


Se Trump for reeleito, não é provável que vá mudar de política e até - dado que já não terá a possibilidade de um novo mandato para se recandidatar - deverá aprofundar, no que às políticas com impacte na economia, os seus aspectos mais polémicos.

No momento em que escrevo, ainda não se sabe, em definitivo, quem vai ser o novo presidente dos EUA. Os especialistas dizem, até, que irá demorar o seu tempo até o processo estar concluído.

Mas, do ponto de vista das políticas económicas ou daquelas que têm um impacte muito significativo na economia, não é muito difícil distinguir os dois cenários em presença.

Se Trump for reeleito, não é provável que vá mudar de política e até - dado que já não terá a possibilidade de um novo mandato para se recandidatar - deverá aprofundar, no que às políticas com impacte na economia, os seus aspectos mais polémicos.

São três, em particular, as políticas que mais nos interessam do ponto de vista económico: a política comercial com o exterior, a rivalidade com a China e a política de combate (ou de falta dele) às alterações climáticas. Num cenário Trump, não é de esperar que os EUA voltem atrás nem na atitude de não cooperação relativa às alterações climáticas nem no proteccionismo comercial e é bem possível que tentem agravar o estado das relações económicas com a China.

Mas convém não esquecer o seguinte: em todas estes domínios, não é só uma questão de vontade de Trump. Existe uma base real na sociedade e economia americanas que condicionará fortemente a acção de Biden se este vier a ser eleito. O proteccionismo americano é recorrente, mesmo quando a política oficial defende o livre comércio, a rivalidade da China é uma questão real que, à semelhança de outros períodos históricos de emergência de uma grande potência, não poderá deixar de criar tensões perigosas e é muito duvidoso que a sociedade americana tenha o mesmo entendimento que as dos países europeus relativamente às alterações climáticas.

Se Biden vier a ser eleito, haverá será, sem dúvida, uma mudança para melhor, mas não espero uma revolução.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rodrigo Pita de Meir
    06 nov, 2020 Caminha 19:25
    Opinião realista e lúcida! Embora as melhorias necessárias a introduzir na politicas económica, social e ambiental sejam grandes, comparativamente ás pequenas melhorias previsíveis que venham a ser decididas e concretizadas, aguardemos neste momento com confiança e alívio a confirmação da vitoria do voto no Partido Democrático e dos futuros Presidente e Vice-Presidente dos EUA.
  • António J G Costa
    06 nov, 2020 Cacém 18:22
    Sim com Biden, espera-se que exista um maior respeito pelos acordos internacionais, por parte dos EUA. Mais falta de respeito, do que Trump tem, também é dificil.