Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
Recolhimento parcial de 70% da população - Conversas Cruzadas
Clique na foto para ouvir esta edição do programa Conversas Cruzadas

Conversas Cruzadas

Recolhimento parcial de 70% da população

01 nov, 2020 • José Bastos


Nuno Botelho, Nuno Garoupa e José Pedro Teixeira Fernandes na análise das novas medidas.

O regresso a casa é “o dever cívico” para 7,1 milhões de portugueses a viver nos 121 concelhos mais afetados pela pandemia de Covid-19 e com total incidência nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

As medidas de restrição nos casos mais graves implicam a obrigação de recolhimento em casa, o teletrabalho, quando possível, e o encerramento de lojas mais cedo que o habitual.

O critério é o da existência de 240 casos de infeção por 100 mil habitantes, padrão definido pelo Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças.

O conjunto de medidas visa poupar o mais possível o Natal, em todos os sentidos, sendo que - havendo feriados e pontes nas primeiras duas semanas de Dezembro - é decisivo dissuadir os portugueses de grandes deslocações ou ajuntamentos.

As ponderações dos próximos tempos devem ser determinadas pelos mapas de risco tendo em conta não só a incidência de novos casos por 100 mil habitantes a sete e 14 dias, mas também o tipo de transmissão em cada local: se surtos contidos, comunitários ou cadeias de transmissão sem Rt identificável.

Apesar da recomendação do gabinete de crise da Ordem dos Médicos, o Governo não tem facultado mapas de risco para o país. Os dados por concelho divulgados pela DGS à segunda-feira projetam apenas uma imagem parcial como foi indicado por autarcas do Norte, exemplificando com Paços de Ferreira.

Estão as medidas políticas de combate à pandemia suportadas em evidências produzidas pela investigação científica e sustentadas em dados ou escasseiam a previsão e planeamento? Qual é o grau de eficácia das medidas agora decididas?

A análise a esta e outras questões é de Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law , Universidade de Arlington, Virginia, Nuno Botelho, jurista e presidente da ACP- Câmara de Comércio e Indústria do Porto e José Pedro Teixeira Fernandes, professor do ensino superior e especialista em geopolítica a olharem também para as eleições presidenciais nos Estados Unidos e para os atentados em França.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.