Tempo
|
A+ / A-

Património Cultural

Cardeal Tolentino de Mendonça distinguido com prémio europeu. “Os livros fizeram a Europa"

23 out, 2020 - 22:34 • Aura Miguel

Vencedor do Prémio Helena Vaz da Silva 2020 para a Divulgação do Património Cultural faz o elogio dos livros, valorizando o seu "papel central" na construção europeia. Presidente da República classifica D. Tolentino como "património cultural e imaterial português".

A+ / A-
Tolentino
Tolentino

D. José Tolentino de Mendonça recebeu esta sexta-feira o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural.

Durante a cerimónia, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, o teólogo, professor e arquivista da Biblioteca do Vaticano mostrou-se "honrado", num discurso onde fez o elogio da importância do livro enquanto património a proteger e salvaguardar. no contexto da História da Europa.

"Não é possível abordar a identidade europeia e os seus valores matriciais sem conectar com o mundo dos livros que ajudaram, em cada tempo, a superar o monolitismo ideológico, a estreiteza de horizontes ou a inconsistência e os limites da visão", refere o galardodo.

Para D. Tolentino de Mendonça, "a dimensão mais extraordinária do projeto europeu não nasceu como uma conquista bélica, uma congeminação económica ou meramente política... os livros fizeram a Europa".

O Centro Nacional de Cultura (CNC), uma das entidades que atribui o prémio, justifica a decisão com "a contribuição excecional de D. Tolentino para a divulgação da cultura e a sua capacidade em divulgar a beleza e a poesia como parte do património cultural da Europa e do mundo".

Ausente da cerimónia na Fundação Gulbenkian esteve o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que enviou uma mensagem de vídeo onde refere que "o prémio atribuído a Tolentino de Mendonça é uma evidência, quase como dizer que é, e é, património cultural e imaterial português".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.