Tempo
|
A+ / A-

Bispos sobre a eutanásia. “Parlamento está em vias de dizer: Se as coisas estão mal, ajudamos-te a morrer”

23 out, 2020 - 17:23 • Ricardo Vieira

Conferência Episcopal lamenta chumbo do referendo pela maioria dos deputados, decisão que representa, na prática, a aprovação da lei que despenaliza a eutanásia, “embora o processo legislativo ainda não esteja finalizado”. CEP vai continuar a lutar pela defesa da vida.

A+ / A-

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lamenta a decisão do Parlamento, que esta sexta-feira chumbou a iniciativa popular para realização de um referendo à despenalização da eutanásia.

Para os bispos portugueses, a rejeição do referendo representa, na prática, a aprovação da lei que despenaliza a eutanásia, “embora o processo legislativo ainda não esteja finalizado” e ainda tenha que ser promulgado pelo Presidente da República e, eventualmente, passar pelo Tribunal Constitucional.

A CEP lamentamos que a maioria dos deputados “não queira auscultar o povo, impossibilitando um debate mais amplo e uma reflexão mais aprofundada sobre tema tão essencial para cada cidadão e para a sociedade no seu todo”.


Outra crítica vai para o timing para a despenalização da eutanásia, numa altura em que o país passa por uma nova vaga da pandemia de Covid-19.

“Achamos ainda ter sido o pior momento para se tomar esta decisão, atendendo à gravíssima situação de pandemia que a todos atinge de modo tão dramático e, de modo particular, os mais idosos.”

“Perante os dramas da vida, como o desta pandemia, a resposta não pode ser o que o nosso Parlamento está em vias de dizer: ‘Se as coisas estão mal, então ajudamos-te a morrer’. O que faz falta é dizer e agir na atitude de quem afirma: ‘Se o sofrimento se torna tão dramático e insuportável, vamos estar a teu lado e ajudar-te a encontrar razões e meios para viver’”, declaram os bispos de Portugal.

A Conferência Episcopal Portuguesa garante que vai continuar a lutar pela causa da vida humana e pela sua defesa, juntamente com as forças da sociedade, “incentivando a encontrar caminhos de proximidade e acompanhamento em cuidados paliativos para os nossos idosos”.

O Parlamento chumbou, esta sexta-feira, a iniciativa popular para promover um referendo à eutanásia – que recolheu mais de 95 mil assinaturas. O PS, o PCP, os Verdes, o BE, nove deputados do PSD e duas deputadas não inscritas votaram contra a proposta.

Na bancada do PSD votaram contra a proposta os deputados Rui Rio (presidente do PSD), André Coelho Lima, António Costa Lima, Mónica Quintela, Catarina Rocha Ferreira, Isabel Meireles, Márcia Passos, António Maló de Abreu e Sofia Matos.

Na bancada social-democrata, os restantes deputados votaram a favor ao lado do CDS e do deputado único da Iniciativa Liberal. André Ventura, do Chega, não votou por não se encontrar presente.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    24 out, 2020 Viseu 10:57
    Eutanasiar é matar. Durante a última campanha eleitoral, os maiores partidos não falaram da eutanásia: morte de seres humanos de saúde muito débil. Foi uma grande traição ao povo e à sociedade portuguesa. Queremos um referendo para que todos os portugueses se manifestem, porque com a eutanásia e o suicídio assistido, não se elimina o sofrimento, elimina-se a vida da pessoa que sofre.
  • José Gaspar
    23 out, 2020 Leiria 17:46
    A mania de os políticos os jornalista e a Igreja de se meterem no que diz respeito a cada um de nós cidadãos, porque carga de água tem de ser o meu vizinho a decidir o que eu quero da vida em caso de ficar em estado vegetativo? A lei sendo aprovada não obriga ninguém a pôr termo à vida apenas dá a possibilidade de cada um decidir se quer continuar a vegetar ligado as máquinas ou quer ter um morte digna em vez de ficar a causar sofrimento aos familiares por vezes anos e anos, não tem nada a ver com política tem a ver com o que cada um de nós quer decidir sobre a sua vida. Os políticos são engraçados porque não fizeram um referendo se queríamos ir para a CEE, para que o dinheiro dos nossos impostos fossem para os bancos, TAP e outras empresas públicas? Aí decidiram sem nos consultar.