Tempo
|
A+ / A-

OE2021

"Quase faltou dizer que vinha aí o diabo". Ministro das Finanças atira-se ao PSD

23 out, 2020 - 16:43 • Lusa

João Leão lembra alternativa de "sucesso" à esquerda e apela a consensos em torno do Orçamento do Estado para o próximo ano.

A+ / A-

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, criticou esta sexta-feira a visão do PSD sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), lembrando o "sucesso" da alternativa à esquerda no passado e pedindo "sentido de responsabilidade".

João Leão, que está a ser ouvido no parlamento no âmbito da proposta de lei do OE2021, disse que o discurso do líder do PSD, Rui Rio, lembra "o discurso do PSD nos dois primeiros anos do governo PS, entre 2015 e 2017", de que "não havia alternativa".

"Quase faltou dizer que vinha aí o diabo", disse João Leão aludindo a uma expressão utilizada pelo antigo líder do PSD Pedro Passos Coelho, acrescentando que "para o PSD a austeridade é a única forma correta de reagir a uma crise".


O ministro disse que para o partido de Rui Rio "a austeridade é a única forma correta de reagir a uma crise", pois "estão contra o conjunto de medidas sociais previstas" no OE2021.

João Leão lembrou ainda que "em 2015 e 2016 uma maioria parlamentar de esquerda esteve junta para mostrar que existia uma alternativa a esta visão de austeridade", e que no entender do ministro "se revelou um sucesso".

O sucessor de Mário Centeno na 'pasta' das Finanças defendeu que não é possível "ter receio de enfrentar os momentos difíceis" e que "não é o momento de desistir", algo que "os portugueses, com razão, não perdoariam".

"Tal como em 2015, estamos prontos para, em conjunto, voltar a fazer de novo um percurso de recuperação de economia e da melhoria da vida dos portugueses" que, segundo João Leão, esperam "sentido de responsabilidade para voltar a aplicar essa estratégia que tanto sucesso teve na saída da anterior crise".

Segundo João Leão, "a aprovação deste orçamento será o primeiro grande passo dessa estratégia de recuperação económica e da recusa da alternativa da austeridade".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Santos
    24 out, 2020 Terra 12:51
    O diabo não vem. O PS já é o DIABO!
  • Americo
    23 out, 2020 Leiria 16:32
    A parte do Estado nos programas 2020 está parte por pagar às empresas. Neste orçamento há uma previsão de aumento na ordem dos 3.000 milhões em impostos. As cativações, logo se vê. Não há austeridade ? Seja intelectualmente honesto. O valor das coimas estão previstas aumentar 58 vezes. Tenham dó.