Tempo
|
A+ / A-

Enfermeiros marcam greve entre 9 e 13 de novembro

23 out, 2020 - 18:20 • Redação com Lusa

A paralisação de cinco dias decorre, em todo o país, à exceção da Região Autónoma da Madeira. É justificada com os problemas laborais que se agravaram com a pandemia.

A+ / A-

A greve geral de enfermeiros convocada pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) realiza-se entre 9 e 13 de novembro, em todo o país, à exceção da Região Autónoma da Madeira, anunciou esta sexta-feira o sindicato.

"O Sindepor convocou uma greve geral para a segunda semana de novembro, de 9 a 13, que vai abranger todo o país. A Madeira está excluída", afirmou o presidente do sindicato, Carlos Ramalho, numa conferência de imprensa em Évora.

Carlos Ramalho indicou que a paralisação não se realiza na Madeira porque o Governo Regional "tem mostrado sempre uma abertura e uma capacidade negocial muito grande" e estabelecido acordos com o sindicato para "tentar ultrapassar os problemas".

Quanto à greve, o sindicalista afirmou que "os enfermeiros estão extremamente descontentes" com a atual situação profissional e que, com a pandemia de covid-19, agravaram-se os problemas destes profissionais.

"A capacidade de resposta é muito limitada e os enfermeiros estão extremamente exaustos. Na primeira fase [da pandemia], já foi complicado para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e para os enfermeiros e agora ainda está a ser mais complicado", referiu.

Segundo o presidente do Sindepor, o sindicato exige o descongelamento das progressões da carreira, a atribuição do subsídio de risco para todos os enfermeiros e, sendo "uma profissão de desgaste rápido", a aposentação aos 57 anos.

O dirigente deste sindicato notou que os enfermeiros tinham grandes ambições em relação à nova carreira, a qual, defendeu, "acabou por ser uma falácia, porque foi uma imposição do Governo e não trouxe nada de novo".

Carlos Ramalho realçou que "a grande generalidade" dos enfermeiros que estão a ser contratados para o SNS ficam com "contratos de quatro meses", considerando que "os contratos com termo não dão garantias nenhumas" aos profissionais.

Questionado sobre eventuais constrangimentos nas unidades de saúde provocados pela greve em tempos de pandemia de covid-19, o presidente do Sindepor disse compreender que exista "algum mal-estar" da população, mas garantiu que a paralisação vai decorrer "de forma a prejudicar o mínimo possível" os utentes.

"O que pretendemos é dar um sinal ao Ministério da Saúde e ao Governo de que os enfermeiros estão descontentes e que é preciso que olhem com mais atenção para a classe", concluiu.

[notícia atualizada às 18h20]


Casos por concelho:

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.