Tempo
|
A+ / A-

“Situação já era calamitosa, hoje não sei como a classificar”. Bispo de Pemba preocupado com deslocados

22 out, 2020 - 11:04 • Olímpia Mairos

Nos últimos dias chegaram à cidade de Pemba, Moçambique, cerca de três mil deslocados. A situação considerada “traumática” preocupa a Igreja que apela à mobilização urgente de recursos para “socorrer com um mínimo de eficácia tantas pessoas de mãos vazias”.

A+ / A-

O aumento significativo do número de pessoas em fuga dos grupos armados que continuam a espalhar violência e morte na província moçambicana de Cabo Delgado, nomeadamente na região de Macomia, está a preocupar a Igreja.

O bispo de Pemba, D. Luiz Lisboa, e o bispo de Lichinga, D. Anastásio Canira, testemunharam, esta quarta-feira, a chegada em massa de deslocados ao bairro de Paquitequete, o principal ponto de desembarque dos deslocados na cidade capital de Cabo Delgado.

“Estão a chegar inúmeros barcos. Só hoje, este barco que está aqui é o oitavo,” disse D. Luiz Lisboa, numa mensagem divulgada pela diocese.

“A situação já era calamitosa e hoje não sei como a classificar”, afirmou o bispo de Pemba, apelando a “todos de boa fé a darem uma resposta possível no apoio aos irmãos que mais necessitam”.

Também o bispo de Lichinga manifestou a sua preocupação face à situação que classificou como “traumática”.

"Estou muito impressionado com essa situação, que eu interpreto como uma situação muito traumática, que até ultrapassa as capacidades humanas para acolher toda a multidão que está a fugir", afirmou D. Anastásio Canira.

De acordo com o padre Fonseca Kwiriwi, um dos responsáveis pela comunicação da Diocese de Pemba, “as coisas continuam feias” na região e “cresce cada vez mais” o número de deslocados que procuram acolhimento junto dos principais centros urbanos”.

Em declarações à Fundação AIS, o sacerdote nota que cidade de Pemba se transformou num porto de abrigo.

“Barcos sobrelotados, normalmente com mulheres e crianças, têm chegado a esta cidade costeira, agravando uma situação já muito frágil do ponto de vista humanitário”, refere o sacerdote, acrescentando que há pessoas que chegam a Pemba “em péssimas condições”.

O responsável pela comunicação da Diocese de Pemba conta que “num dos grupos de deslocados, registou-se o caso dramático de uma mulher que deu à luz na praia, depois de desembarcar de um barco com muita gente”.

Segundo a Diocese de Pemba desde sábado, dia 17 de outubro, calcula-se que cerca de 3 mil pessoas terão fugido de suas casas, perdendo tudo o que tinham, por causa dos ataques dos grupos armados que reivindicam pertencer ao Daesh, o Estado Islâmico.

Perante o aumento no número de deslocados, “torna-se cada vez mais urgente mobilizar recursos para a Diocese ter também meios para socorrer com um mínimo de eficácia tantas pessoas de mãos vazias”, assinala a diocese.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.