Tempo
|
A+ / A-

Fabricante

EUA dão "autorização" total ao uso de remdesivir em doentes hospitalizados com Covid-19

22 out, 2020 - 23:11 • Lusa

A informação foi avançada pelo fabricante, a Gilead, que em maio tinha obtido aprovação condicionada do medicamento.

A+ / A-

A agência norte-americana do medicamento (FDA, em inglês) concedeu esta quinta-feira autorização plena para a utilização do medicamento antiviral remdesivir para pacientes hospitalizados com Covid-19.

A informação foi avançada pelo fabricante, a Gilead, que em maio último tinha obtido a aprovação condicionada do medicamento.

A Gilead anunciou ter recebido aprovação para o medicamento, comercializado com a marca Veklury, sublinhando que é o único tratamento específico contra a Covid-19 com este tipo de autorização após um procedimento de verificação mais rigoroso e definitivo.

Outros tratamentos receberam aprovações de emergência.

A cotação das ações da Gilead na Bolsa de Nova Iorque subiu 4% pouco depois do anúncio.

Hoje a Direção-Geral da Saúde adiantou que vai adquirir entre este mês e março de 2021 mais de 100 mil frascos do medicamento antiviral remdesivir, com a designação comercial Veklury, para tratamento de doentes com Covid-19.

A decisão foi tomada hoje em Conselho de Ministros e anunciada pela ministra da Saúde, Marta Temido, que explicou que "a aquisição de mais de cem mil frascos" terá um custo de cerca de 35 milhões de euros, uma vez que cada um custa 345 euros.

O remdesivir é indicado para o tratamento de doentes adultos e adolescentes com pneumonia que necessitem de oxigénio suplementar e foi autorizado na União Europeia para a Covid-19, lembrou Marta Temido.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 2.245 em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.