Tempo
|
José Miguel Sardica
Opinião de José Miguel Sardica
A+ / A-

Portugal: a máquina de fabricar Venturas

30 set, 2020 • Opinião de José Miguel Sardica


Ventura deveria ser um epifenómeno. No Portugal de hoje, porém, é o megafone verborreico que apresenta más soluções para alguns problemas reais.

Somado à candidatura presidencial, o recente congresso do Chega! pôs toda a gente a falar de quem já muito se falava: André Ventura. O homem tem idade para ser filho de Marcelo Rebelo de Sousa, de Rui Rio, até de António Costa. O homem lidera um partido que é mais ele próprio do que o CDS-PP alguma vez foi Paulo Portas. O homem é a sua própria bancada parlamentar na Assembleia da República. O homem é político por oportunismo e tacticismo, sobre a pele de um puro demagogo que vive do sound-byte e de um misto de justicialismo e vitimização. E, todavia, não se fala de outro homem. O CDS, por causa da pandemia ou mesmo sem ela, liquefez-se e parte do seu eleitorado vai talvez votar Ventura para não votar Marcelo. O PSD, nos dias em que faz oposição, reflete se um dia precisará de um Chega! moderado para ser poder. Do PS para a esquerda, Ventura é um ominoso projeto “fascista”, cuja esmagadora torrente requer uma parede de virtuosos para lhe mostrarem que ele não passará!

Ventura é um deputado entre 230. Por mais sensacionalistas que sejam as sondagens – que também vivem de picar o establishment com este agitador – o Chega! vai nos 8% de intenções de voto. E o congresso do partido, com os dramatismos, as lágrimas e os quase-chiliques do grande líder, e as delirantes moções e vozes que ali passaram, culminando na proposta da castração física das mulheres que abortem, encheu as páginas de imprensa, as caixas de comentários online e as opiniões dos analistas dos media. Como todos os populistas, Ventura esfrega as mãos. Segue à letra a máxima de Oscar Wilde: “falem mal de mim, ou falem bem de mim, o importante é que falem”. E falando, todos os outros fazem o seu jogo.

Convido o leitor a sair deste barulho e a fazer um exercício mental. Recuemos 20 anos, ao princípio do século, a um Portugal ainda embalado pelo patriotismo da Expo’98, bom aluno de uma Europa sem as incertezas de hoje, numa democracia que ainda não envergonhava.

André Ventura e o Chega! poderiam existir, política e mediaticamente, em 2000? Não. O meu argumento é, pois, simples. Parafraseando o título literário de Valter Hugo Mãe, o lento declínio da democracia portuguesa foi oleando a máquina que fabricou Ventura. Porque Ventura é a espuma incómoda à tona das ondas revoltas. E enquanto não percebermos o que foi que insuflou essas ondas, criando uma maré viva, ficaremos à beira-mar, a falar da espuma. As “elites” do sistema não pararam de a golpear nos últimos 20 anos, contribuindo com muitas peças para a máquina de fabricar Venturas. Foi o “pântano”, a “tanga”, o socratismo no poder e o socratismo metido na Operação Marquês, os custos inevitáveis da troika e do resgate, as negociatas do futebol e a corrupção na justiça, o oportunismo da “geringonça” em 2015, o desespero dos incêndios de 2017, a ruína do BES e o sorvedouro do Novo Banco e similares, tudo culminando no ambiente asfixiante de hoje, com partidos que concordam em reduzir o debate parlamentar, juízes que traficam acórdãos e um primeiro-ministro que achou por bem subscrever a “honra” de um corrupto do futebol.

Ventura deveria ser um epifenómeno. No Portugal de hoje, porém, é o megafone verborreico que apresenta más soluções para alguns problemas reais (que outros não atalham), e que, sobretudo, polariza e inflama um crescente e preocupante sentimento geral de desânimo, de desafeição, de revolta, de raiva mesmo, perante um sistema que mergulhou fundo no compadrio, na corrupção, no deixa-andar e na falta de vergonha. Assim estamos, e se calhar assim iremos andar, de Ventura (este André), em Ventura (outros surgirão), até (oxalá não) uma qualquer desventura trágica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    01 out, 2020 12:59
    Análise complexada e oleada de certo modo pelo politicamente correto que a esquerda e a extrema-esquerda comunista tem vindo a condicionar e a amedrontar as pessoas sensatas. Escreva sobre "A Ideologia de Género nas Escolas: um escândalo conhecido por poucos", onde a LGBT com o apoio estatal, está a corromper as crianças e adolescentes...ao arrepio dos Pais e Mães e com o dinheiro dos contribuintes...
  • Força, André!
    01 out, 2020 Viva o Chega! 09:53
    André Ventura e o Chega! são a pedrada no charco desta podridão da auto apelidada "democracia portuguesa" que só serve para agência de empregos dos jotinhas das juventudes partidárias, da corrupção a todos os níveis e em nome dum pretenso "interesse nacional", de cascar em nós, para benefício de políticos e dos ricos empresários que andam de mãos dadas com eles. Esta dita "democracia" falhou. E precisa ser revista de alto a baixo. por isso, Força, André!
  • César Augusto Saraiva
    30 set, 2020 Maia 18:50
    É só fumaça!... Já tivemos o PRD, que desapareceu!... Já tivemos o recente partido do Santana Lopes, que se esfumou!... Não tarda que o povo, com a sua sabedoria, diga que «pela boca morre o peixe!»...