Tempo
|
A+ / A-

Vaticano

Cardeal Becciu diz que Papa o confrontou com suspeitas de peculato

25 set, 2020 - 14:13 • Redação com Reuters

O ex-prefeito da Congregação para a Causa dos Santos nega qualquer ilegalidade e diz que está pronto a dar a vida pelo Papa Francisco. O Vaticano ainda não confirmou a informação oficialmente.

A+ / A-

O cardeal Angelo Becciu, que se demitiu de prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, nega qualquer envolvimento em desvio de dinheiro das contas do Vaticano.

A garantia foi deixada num encontro com jornalistas realizado esta sexta-feira, um dia depois de apresentar a renúncia do cargo.

O cardeal Angelo Becciu disse que o Papa o confrontou com alegados desvios de fundos, irregularidades financeiras e nepotismo. A informação ainda não foi confirmada pelo Vaticano.

O ex-prefeito da Congregação para a Causa dos Santos contou aos jornalistas que Francisco lhe retirou a confiança, na sequência de uma investigação que detetou indícios de crimes de peculato.


O cardeal Angelo Becciu adianta que ainda não foi notificado e fala numa situação “surreal”.

“Fiquei lívido. Certamente não foi um bom momento. Foi inesperado. Eu nunca vou trair o Papa e estou pronto a dar a minha vida por ele”, disse o prelado aos jornalistas.

O prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, cardeal Angelo Becciu, apresentou a sua demissão ao Papa, na quinta-feira, abdicando ainda de todos os direitos que lhe advêm por ser membro do Colégio dos Cardeais.

O boletim da Sala de Imprensa do Vaticano não avançou qualquer razão para a demissão, mas trata-se de um ato extremamente raro que, em tempos recentes, apenas aconteceu com os cardeais O’Brien, da Escócia, e McCarrick, dos Estados Unidos, em ambos os casos por motivos de envolvimento em abusos sexuais.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.