Tempo
|
A+ / A-

1946-2020

​Bispo de Viana do Castelo, D. Anacleto Oliveira, morre em acidente de carro

18 set, 2020 - 19:16 • Ecclesia

D. Anacleto tinha 74 anos e tinha completado, este verão, 50 anos de sacerdócio e dez na diocese do Alto Minho. Morreu na sequência de um despiste de automóvel na A2, perto de Almodôvar, ao final da manhã desta sexta-feira.

A+ / A-

Morreu esta sexta-feira o bispo de Viana do Castelo, D. Anacleto Oliveira. A notícia foi confirmada à Renascença pelo secretário e porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa, padre Manuel Barbosa.

D. Anacleto Oliveira morreu na sequência de um despiste de automóvel, Autoestrada 2 (A2) perto de Almodôvar, que ocorreu ao fim da manhã desta sexta-feira.

De acordo com a Agência Lusa, fonte da GNR indicou que o óbito foi declarado no local e o corpo foi encaminhado para o serviço de Medicina Legal do hospital de Beja.

O bispo tem sido recordado pelas mais altas figuras do Estado e da Igreja como um intelectual que era, ao mesmo tempo, próximo das pessoas que servia.

O Presidente da República admite sentir profundo pesar pelo falecimento de D. Anacleto e o Patriarca de Lisboa recorda um homem "sempre claro, sempre frontal nas suas posições, mas capaz de escutar os outros".

O bispo foi ainda lembrado por D. José Ornelas, bispo de Setúbal e presidente da Conferência Episcopa, que destaca a sua "mente muito lúcida e espírito aberto".

D. Anacleto Oliveira nasceu a 17 de julho de 1946, na freguesia de Cortes, em Leiria, e foi ordenado sacerdote a 15 de agosto de 1970; após a ordenação, estudou Sagrada Escritura em Roma e na Alemanha, onde foi capelão de uma comunidade portuguesa durante 10 anos.

Nomeado bispo para auxiliar de Lisboa em 2005, D. Anacleto Oliveira foi ordenado bispo no Santuário de Fátima no dia 24 de abril desse ano por D. Serafim Ferreira e Silva, então Bispo da Diocese de Leiria-Fátima.

No dia 11 de junho de 2010 D. Anacleto Oliveira foi nomeado bispo de Viana do Castelo, o quarto bispo da diocese criada pelo Papa Paulo VI em 1977.

Este verão, D. Anacleto Oliveira assinalou no dia 14 de agosto os 10 anos de bispo de Viana do Castelo e 50 de ordenação sacerdotal.

Em declarações à agência Ecclesia por ocasião do jubileu sacerdotal, D. Anacleto Oliveira recordou o dia em que chegou a Viana do Castelo, a 15 de agosto de 2010, para onde foi “à aventura”.

“Estava um calor infernal nesse dia, vim para aqui às escuras, não conhecia o Minho nem procurei conhecer, apenas me informei o que era Viana do Castelo e vim à aventura”, lembra.

Dez anos depois o D. Anacleto dizia que se sente bem no Minho e, quando está for,a sente saudades e gosta da “maneira de ser minhota, extrovertida e brincalhona”.

“Eu sinto-me bem aqui e quando estou fora sinto saudades de Viana. É difícil não se enamorar por esta diocese, encontramos aqui pessoas tão boas e de quem recebemos muito e muitas lições, são pessoas muito abertas à mensagem que procuramos transmitir e isso é compensador para nós”, afirmou.

Diocese escolhe administrador

Perante a morte do bispo D. Anacleto, a diocese viu-se forçada a escolher um novo administrador, até que o Papa Francisco nomeie um sucessor.

Numa nota enviada à Renascença lê-se que "em conformidade com as normas do Código de Direito Canónico – Cân. 416, 419, 421 – decidiu o Colégio de Consultores da Diocese de Viana do Castelo eleger como Administrador Diocesano, o Reverendíssimo Monsenhor Sebastião Pires Ferreira", que aceitou o encargo.

A eleição, diz a nota, foi já comunicada a nuncio apostólico em Portugal, monsenhor Ivo Scapolo.

[Notícia atualizada às 23h18]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.