Tempo
|
A+ / A-

​Ministério Público quer mostrar no tribunal conteúdos dos dispositivos de Rui Pinto

15 set, 2020 - 15:18 • Liliana Monteiro

Aníbal Pinto, advogado de Rui Pinto e também arguido no caso, admite que hacker possa não lhe ter revelado todas as informações que possuía.

A+ / A-

O Ministério Público quer mostrar em julgamento os conteúdos do computador e dispositivos eletrónicos apreendidos a Rui Pinto, o alegado pirata informático.

A procuradora requereu em julgamento que a Judiciaria disponibilize um aparelho e um técnico para ajudar a mostrar emails e informações apreendidas e que constam do processo.

A segunda sessão do caso “Football Leaks” ficou marcado por diversas perguntas da juíza que queria saber se Aníbal Pinto, advogado de Rui Pinto e também ele arguido, nunca desconfiou que estaria em causa dinheiro em troca de silêncio sobre informações privadas.

Anibal Pinto sublinhou diversas vezes que não e à saída do tribunal admitiu que pode ter sido enganado.

“Os clientes usam sempre os advogados. O povo diz que ao advogado e ao padre diz-se a verdade, mas, infelizmente, muitos clientes não dizem a verdade e não se conta tudo. É claro que Rui Pinto não me contou tudo”, afirmou.

Na sala do tribunal, Anibal Pinto disse que o pagamento do fundo de investimento da Doyen seria feito através de conta na Hungria ou uma offshore, sugestão feita por Rui Pinto.

“O Rui Pinto disse que estava a pensar fazer uma offshore. É opção do cliente. Se lhe permitia pagar menos impostos, a escolha era dele. Era o que faltava os advogados achassem normal ou não normal aquilo que os clientes querem fazer”, respondeu.

O coletivo de juizes confrontou ainda o advogado com uma troca de emails onde se falava no assunto “Football Leaks”. O advogado diz que nunca soube o que isso era uma vez que estava focado num simples contrato de prestação de serviços que era o que estava em causa entre Rui Pinto e a Doyen.

No inicio da sessão Aníbal Pinto voltou a sublinhar que "em momento algum ponderei receber fosse o que fosse neste contrato” que foi negociado e discutido sempre com sigilo pedido por Rui Pinto.

O contrato seria confidencial e sem revelação dos nomes dos envolvidos até à sua assinatura garante o advogado, Aníbal Pinto.

A defesa da Federação Portuguesa de Futebol quis saber se o advogado considerava que Rui Pinto era capaz de entrar nos servidores da Federação, ao que Aníbal Pinto respondeu: "não sei, nunca o vi ao computador".

O julgamento de Rui Pinto continua na quarta-feira, no Campus da Justiça no Parque das Nações, em Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim
    15 set, 2020 aqui 15:49
    Em relação ao conteúdo dos discos que este criminoso tinha encriptados, eu quero saber se TODOS os discos foram desencriptados, ou se houve um disco que “Ups” este avariou”?