|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19. NOVA IMS cria app de uso obrigatório para alunos e professores

15 set, 2020 - 20:48 • Fábio Monteiro

Associação D3 – Defesa dos Direitos Digitais começou a receber queixas contra a aplicação de “registo obrigatório por razões de segurança” na segunda-feira. À Renascença, Ricardo Lafuente, que integra a direção da D3, diz que app funciona como "um livro de ponto digital".

A+ / A-

Veja também:


A faculdade Information Management School (IMS) da Universidade Nova de Lisboa, com sede em Campolide, Lisboa, lançou uma aplicação de “registo obrigatório por razões de segurança” para alunos e docentes que frequentem a instituição, devido à pandemia de Covid-19.

“É indispensável que todos façam o download desta app de forma a poderem fazer o check-in sempre que estiverem em ambiente de sala de aula", explica a NOVA IMS, numa notícia publicada no site oficial da instituição aquando do lançamento da app, na semana passada. "O objetivo deste check-in passa por registar a presença dos alunos que assistam presencialmente às aulas, para efeitos de gestão de risco de contágio.”

As primeiras queixas relativas à app da NOVA IMS começaram a chegar à associação D3 – Defesa dos Direitos Digitais na segunda-feira, adianta à Renascença Ricardo Lafuente, que integra a direção da associação.

Na prática, a aplicação funciona como “um livro de ponto digital”, adianta a fonte. Do que já foi possível apurar, não são recolhidos dados de georreferenciação ao usar esta app.

Segundo Lafuente, a app da NOVA IMS serve para, em caso de surto, "a faculdade notificar os possíveis infetados com base nas presenças em determinadas aulas".

A Renascença tentou contactar a NOVA IMS para tentar obter mais informações sobre a aplicação e confirmar se esta foi autorizada pela Comissão Nacional de Proteção de Dados, até ao momento sem sucesso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.