Tempo
|
A+ / A-

D. Manuel Linda elogia antecessor como exemplo de ternura e caridade

12 set, 2020 - 00:07 • Henrique Cunha

Na celebração em memória de D. António Francisco o bispo do Porto pediu aos sacerdotes que sejam “mais paternos e mais amorosos”.

A+ / A-

O bispo do Porto, D. Manuel Linda, elogiou esta sexta-feira o seu antecessor, D. António Francisco, que recordou como um exemplo de ternura e caridade.

Na homilia da missa de sufrágio pelos bispos, presbíteros e diáconos que serviram a diocese, no dia em que passam três anos da morte de D. António Francisco, o prelado deixou também um alerta: “mal da Igreja se não for o fenómeno no tempo da caridade de Deus”.

“E o sacerdote, o bispo e o diácono é a via da Igreja, por isso, para o bispo, o presbítero e o diácono não há outra forma que não seja ser fenómeno temporal da caridade de Deus”.

O bispo pediu aos cristãos ajuda para que os pastores possam “ser mais paternos, isto é mais amorosos” e exortou “os ministros ordenados a exemplo de D. António Francisco a seguir esta certeza: a Igreja que está no mundo só pode ser esta incarnação temporal do amor misericordioso e ternurento de Deus”, porque “se assim formos muitos nos seguirão”.

Para o Bispo do Porto, D. António Francisco dá-nos o exemplo do caminho que deve ser seguido nas condições que Jesus nos indicou, isto é, com amor ternurento e misericordioso”.

“E a ternura e a misericórdia eram dois grandes apanágios de D. António Francisco e por isso se tornou simpático, e porventura, por causa disso muitos seguiram o caminho de Jesus”, referiu o Bispo para concluir:” É este o segredo da pastoral: seguindo com Jesus Cristo e à maneira de Jesus Cristo as pessoas atraem-se”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.