Tempo
|
A+ / A-

Refugiados

Merkel e Macron lançam iniciativa para UE acolher 400 crianças do campo de Moria

10 set, 2020 - 17:34 • Lusa

Proposta da Alemanha e França está a ser noticiada pela AFP, que cita fonte próxima do processo, na sequência do incêndio que devastou o campo de refugiados de Moria, na ilha grega de Lesbos. Vivem vivem cerca de 13 mil pessoas no campo, incluindo 4 mil crianças, centenas delas desacompanhadas.

A+ / A-

A chanceler alemã e o Presidente francês lançaram esta quinta-feira uma iniciativa para que os Estados-membros europeus garantam o acolhimento de cerca de 400 migrantes menores desacompanhados do campo de refugiados de Moria, na Grécia, devastado por um incêndio na madrugada de quarta-feira.

A informação da proposta de Angela Merkel e Emmanuel Macron foi revelada à agência francesa France-Presse por uma fonte próxima do processo.

Os jovens serão distribuídos entre os países da União Europeia que vão aderir à iniciativa franco-alemã, explicou a mesma fonte, acrescentando que os detalhes vão ser divulgados posteriormente pela chanceler, cujo país preside atualmente ao Conselho da UE.

Após o incêndio na noite de terça-feira no campo de migrantes de Moria, na ilha de Lesbos, novas frentes de fogo foram desencadeadas na tarde de quarta-feira, destruindo quase tudo o que restou no local que acolhia cerca de 13 mil refugiados, incluindo perto de 4 mil crianças.

Milhares de refugiados ficaram expostos na madrugada de hoje ao mau tempo que se fez sentir na Grécia, à espera de transferência das instalações destruídas pelo incêndio.

Portuguesa em Moria descreve “cenário pós-apocalíptico” depois de incêndio
Portuguesa em Moria descreve “cenário pós-apocalíptico” depois de incêndio
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.