Tempo
|
Hora da Verdade
Uma parceria entre a Renascença e o jornal “Público”. Entrevistas aos protagonistas da atualidade. Quinta às 13h00.
A+ / A-
Arquivo

Hora da Verdade

Marisa Matias afasta crise política, mas estranha silêncio do PS nas presidenciais

10 set, 2020 • Eunice Lourenço (Renascença) e Liliana Borges (Público)


As crises políticas não se resolvem, evitam-se e o papel do Presidente também passa por aí, afirma a candidata do Bloco que, em matéria europeia, diz-se uma “otimista trágica”.

"Apresento-me num contexto de crise, para ser a voz da esquerda"
"Apresento-me num contexto de crise, para ser a voz da esquerda"

Num momento em que “é preciso afirmar a esquerda” o silêncio do partido no Governo incomoda a candidata do Bloco de Esquerda. Questionada sobre a existência de uma crise política, a eurodeputada afasta o cenário de instabilidade e insiste na discussão de soluções que respondam “aos problemas concretos das pessoas”.

Como viu o empurrão dado por António Costa a Marcelo Rebelo de Sousa em maio deste ano? Foi uma traição aos parceiros à esquerda?
Não comento as opções e razões. Acho que num momento em que é preciso afirmar a esquerda, é estranho essa demissão do PS. Mas é até onde vou. Essa é uma decisão interna.

Que erros têm sido cometidos pelo atual Presidente? Já falou de coisas positivas.
Têm que ver com a visão que temos de sociedade, do respeito pela Constituição, do respeito pela proteção da democracia, que é distinta. Não estou a dizer que não somos os dois democratas, não quero que haja esse equívoco. Mas nos três eixos fundamentais de resposta à crise, creio que o Presidente não esteve do lado que era mais necessário. Na questão dos recursos necessários para investir em salários e pensões e para proteger os mais velhos, por exemplo. Vemos que é uma das áreas na qual é preciso fazer um investimento e reestruturação completa da nossa sociedade. Não é possível imaginar que, para quem é mais velho, ir para um lar seja uma ameaça e não uma proteção. Também em relação à proteção no trabalho há alguma omissão. É uma área em que o Presidente devia ter tido uma ação muito mais consolidada.

Acha, como disse Jerónimo de Sousa no final da Festa do Avante!, que Marcelo pode querer promover uma aproximação entre o PSD e o PS e favorecer políticas de direita?
Não falo de futurologia. Pode haver alguma intenção, mas não estou dentro da cabeça das pessoas para saber se será um mandato diferente ou não. Nem preciso disso. Basta uma avaliação deste mandato para perceber que há espaço para visões, alternativas e respostas diferentes.

Temos vivido sob a ameaça de crise política que o Presidente diz que não pode existir. Acha que vamos viver uma pré-campanha neste ambiente de crise política? E como se resolve?
As crises políticas evitam-se, não se antecipam. Procuram-se soluções. É precisamente o papel de um Presidente da República ajudar a contribuir para soluções.

Como é que esta se evita? Com um acordo entre o BE e o Governo para o OE 2021?
Não vou falar disso.

Mas é importante saber o que defende em termos de estabilidade da legislatura. O primeiro-ministro, no debate do estado da nação, falou num acordo de legislatura escrito. É possível e desejável?

Acho que a estabilidade da legislatura não está em causa. Não creio, seja qual for o desfecho, que estejamos numa situação de uma instabilidade ou não legitimidade. O Governo continuará em perfeitas condições para exercer o seu mandato.

Quais são os desafios para esta campanha? Como espera chegar aos eleitores num contexto de pandemia?
Não vou deixar de ouvir pessoas e de contactar com as pessoas, ainda que em contextos muito diferentes do que aqueles que conhecemos até agora. Toda a gente tem de se adaptar aos novos tempos e as atividades partidárias não serão imunes a isso. Terá de ser uma campanha com contornos muito diferentes, sem com isso eliminar a proximidade social. Distanciamento físico não é distanciamento social. É muito diferente. A proximidade tem de se manter. Será um desafio para toda a gente, para mim também.

O crescimento de movimentos populistas na União Europeia (UE) é uma das preocupações que trará para a campanha?
Claro que sim. É uma preocupação em todo o lado. Na UE e fora dela. Mas o que a história recente nos mostra é que, de cada vez que a esquerda se distraiu e foi atrás de resposta ao populismo, em vez de trazer respostas concretas para a vida das pessoas, perdeu. Não podemos abdicar de maneira nenhuma de continuar a apresentar essas soluções por muitas distrações que tentem pôr no caminho.

Responder demasiado pode fazer crescer o populismo?
Não nos ajuda em nada retirar do centro da política e da discussão política aquilo que são os problemas concretos das pessoas e das soluções que precisamos para encontrar. Muitas das vezes as distrações são trazidas para desviar dos problemas em concreto. A resposta é com política e não andar atrás de uma agenda que não diz nada às pessoas.

" Corrupção? Entendo esse como um combate transversal"

Em 2019, na véspera das eleições europeias, dizia que a UE estava minada de corrupção. Será também um tema em que espera focar a sua campanha?

Trabalhei toda a minha vida política no Parlamento Europeu em áreas e domínios em que o combate à corrupção é um elemento central. É um tema que não sairá da mesa enquanto tivermos problemas dentro das instituições e das portas giratórias entre o sector privado, Governo e instituições. Mas entendo esse como um combate transversal.

Na próxima semana é o debate do estado da União. Se pudesse fazer o discurso num minuto e meio como é que diria?
É um estado periclitante e difícil. Um braço de ferro entre governos, onde resta pouca solidariedade e cooperação. A prova disso foi a discussão para o Fundo de Recuperação, muito aquém do seria necessário em termos de montante e na forma como foi apresentado. Só confirma a desigualdade na UE. Para se aprovar um Fundo de Recuperação, teve de se aumentar rebates para os ditos países frugais. Estamos a assistir a uma UE que ainda não conseguiu fugir a um colete-de-forças que nos prende cada vez mais a um projeto que teima em não responder à vida das pessoas. Precisamos de rever os tratados, de uma verdadeira política de combate às alterações climáticas e de cooperação e áreas em que ainda não tocámos, como as transações financeiras e o fim de offshores. A UE está num momento crítico e é o próprio projeto europeu que está em causa. Não considero que se possa continuar tão arbitrário e injusto.

Mas ainda consegue olhar com esperança para esse projeto?
Sou uma otimista trágica [risos] e acho sempre que as coisas podem ser melhores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    10 set, 2020 Funchal 14:55
    Desista para a Dra Ana, assim não fraguementaria a esquerda .
  • 10 set, 2020 10:41
    Ja nao perdeste uma vez? Queres o que ?